Esportes

Alta quantidade de candidatos a lugares no grid da F-1 cria ‘pelotão de reservas’

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

22 de setembro de 2019 - 00:00 - Atualizado em 22 de setembro de 2019 - 00:00

A quantidade de pilotos jovens candidatos à Fórmula 1 é tão grande que as vagas disponíveis no grid da categoria não são suficientes para absorver todos eles. Um dos exemplos desse processo é o francês Esteban Ocon, de 23 anos, membro do programa de desenvolvimento da Mercedes e campeão em categorias inferiores, mas que ficou fora do grupo de 20 titulares que integram as dez equipes deste ano.

Ocon teve bons resultados em 2017 e 2018 pela Force India, até permanecer nesta temporada como piloto reserva da Mercedes. Semanas atrás, assinou contrato com o Renault para voltar ao posto de titular em 2020, escolha bancada pelo diretor da equipe francesa, o tetracampeão mundial Alain Prost.

O piloto francês se envolveu em um episódio inusitado no ano passado, no GP do Brasil. Após errar uma manobra e bater em Max Verstappen, da Red Bull, os dois discutiram nos boxes ao fim da prova. O holandês chegou a empurrar Ocon. Como punição, ambos tiveram de prestar serviços comunitários.

A mesma expectativa por uma nova oportunidade pressiona o alemão Pascal Wehrlein. Agora com 24 anos, ele também passou pelo projeto de desenvolvimento de talentos Mercedes e correu na categoria por duas temporadas com carros ruins, pela Manor e depois pela Sauber. Ausente da Fórmula 1 nos dois últimos campeonatos, resolveu dar um passo atrás e virar piloto de testes da Ferrari. Mas dificilmente terá vaga no grid em 2020.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.