Esportes

Afastado, Cleber Reis desabafa: “O Santos me tratou como um torcedor”

Gazeta
Gazeta Esportiva

16 de fevereiro de 2021 - 14:30 - Atualizado em 17 de fevereiro de 2021 - 00:00

Afastado do elenco profissional do Santos, Cleber Reis desabafou. O zagueiro acredita que o imbróglio do Peixe com o Hamburgo (ALE) atrapalhou a sua história no clube.

Cleber foi contratado em 2017 pelo ex-presidente Modesto Roma e a dívida de R$ 7,3 milhões passou para José Carlos Peres e só foi resolvida por Orlando Rollo e Andres Rueda no fim de 2020, por quase o triplo: cerca de R$ 20 mi. O débito fez o Alvinegro ser proibido de registrar jogadores.

“Mudou (a visão do torcedor sobre ele). Achavam que eu era o culpado, me xingavam, falavam um monte de coisas para mim. Nem respondia as mensagens. É de clube para clube. Não tem nada a ver comigo. Isso me prejudicou e me prejudica até hoje”, disse Cleber, em entrevista ao GE.

“Infelizmente não foi o que eu esperava. Desde que cheguei no Santos, me falaram uma coisa e quando cheguei foi outra. Não sei onde errei, o que eu fiz ou qual palavra que falei que ninguém gostou. Sempre todos os treinadores chegam com má impressão minha. O Santos acabou me frustrando muito. Mas tenho fé que vou conseguir recuperar meu espaço e receber oportunidades para mostrar meu trabalho”, completou.

Aos 30 anos, Cleber Reis voltou ao Santos após empréstimo à Ponte Preta, onde só jogou cinco vezes. Desde 2016, também passou por Oeste, Coritiba e Paraná.

O atleta agora treina em horários separados junto ao lado de outros fora dos planos, como Rodrigão. Mas ainda sonha com uma chance.

“O Santos me tratou como um torcedor. O clube não pode julgar um atleta e desvalorizar desse jeito. Acho que deveriam ter um pouco mais de respeito e consideração por mim, mas se não tiveram eu tenho que lutar, buscar meu espaço e mostrar que tenho valor. Com o Santos ou sem o Santos. A gente fica triste, mas não vou ficar murmurando”, afirmou.

“As pessoas ficam falando em rescindir contrato e isso frustra o jogador. Não dão valor para ninguém. Isso já vem de berço no Santos. Não dá muito valor para quem eles contratam. Você chega no Santos para tampar caixão, porque o foco do Santos é a base. Não está errado, mas contratar e não dar o auxílio que o jogador precisa fica difícil”, emendou.

Mesmo assim, Cleber Reis não fala em processar o Santos na Justiça do Trabalho. O contrato termina em 30 de janeiro de 2022.

“O Santos me paga certinho. Jamais vou querer acionar o Santos na Justiça. Ali tem pessoas que trabalham, que têm família. Tenho muito caráter. Não tenho essa índole para isso”, concluiu.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.