Esportes

Abel Braga revela que dívida de gratidão o motivou a aceitar desafio no Cruzeiro

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

28 de setembro de 2019 - 00:00 - Atualizado em 28 de setembro de 2019 - 00:00

Apresentado no Cruzeiro na tarde deste sábado, o técnico Abel Braga afirma que aceitou o desafio de tentar livrar o time mineiro do rebaixamento no Campeonato Brasileiro devido a uma dívida de gratidão que mantém com o clube. Logo após a entrevista coletiva, o treinador, que substitui Rogério Ceni, demitido na última quinta-feira, já comandou um treinamento visando a partida desta segunda, um confronto direto frente ao Goiás, válida pela 22.ª rodada, em Goiânia. O time é só o 17.º colocado, com 19 pontos.

Já vestido com o uniforme de treino da equipe, o técnico de 67 anos lembrou de sua passagem pela Toca da Raposa ainda como atleta, há quase quatro décadas, e se disse feliz pela primeira oportunidade no comando técnico do clube.

“Estou extremamente contente porque muitos de vocês nem eram nascidos e eu, depois de dois anos de Paris Saint-Germain, tive uma contusão. Quis regressar ao Brasil e o Cruzeiro abriu as portas para mim. Isso foi em 1981 e sempre ficou essa dívida, sempre ficou a vontade, vontade essa que por três vezes não se concretizou”, relatou Abel Braga.

Questionado sobre o clima tenso vivido por seu antecessor no cargo, que teria se desentendido com uma parte do elenco, o novo comandante cruzeirense preferiu não opinar. “Eu não estava presente. Prefiro não me manifestar, por respeito ao envolvidos, se teve envolvidos. Vocês, de repente, pensam que tiveram e, às vezes, foi algum mal-entendido”, disse.

Outro ponto abordado na entrevista foi a mudança de ideia de Abel Braga quanto à regra, sempre imposta por ele, de nunca assumir um trabalho já em andamento. “Tenho consciência de que posso ajudar e quebrei uma regra minha. Vocês sabem que nunca peguei um trabalho no meio. Se analisarem os últimos 15 anos, passei por cinco clubes”, comentou o técnico, demitido do Flamengo em seu último trabalho, em maio, após pouco mais de cinco meses no cargo.

Sobre a expectativa em relação ao desafio de gerir um elenco que supostamente estaria “rachado”, Abel Braga utilizou um exemplo de sua trajetória. “Não vou ter problema em relação a ganhar grupo, a me incorporar, problema zero. Já vivi o Vasco com Edmundo e Romário brigados, mas aquilo foi essencial. Me dei bem e gostei de trabalhar com eles. Basta ter consciência de que o clube é muito maior que todos nós”, finalizou.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.