Gislene Bastos
Viajar com sustentabilidade

Por Gislene Bastos

Viagens
Gislene Bastos

São Mateus do Sul: muito além da erva-mate

Coloque São Mateus do Sul no roteiro pós-pandemia. Além de chimarrão de qualidade você ainda vai se surpreender com uma rica cultura!

São Mateus do Sul: muito além da erva-mate

28 de outubro de 2020 - 20:16 - Atualizado em 29 de outubro de 2020 - 10:46

Se você toma chimarrão, muito provavelmente já leu o nome de São Mateus do Sul em alguma embalagem de erva-mate. A cidade fica a 156 Km de Curitiba, bem pertinho da divisa do Paraná com Santa Catarina. É uma região fria, com temperatura média anual em torno dos 17°C e terra da erva-mate certificada com Indicação Geográfica (IG). A diferenciação garante um produto com características únicas no mundo.

Rua do Mate é aposta para consolidar o turismo

Mas, convenhamos! Dificilmente uma família vai percorrer cem ou duzentos quilômetros apenas para tomar um chimarrão, por mais especial que a planta seja. E a cidade se esforça para ganhar a atenção dos turistas criando novos atrativos.

A Rua do Mate é a grande novidade. Com investimento de quase dois milhões de reais, a obra tem inspiração em estruturas similares existentes em Gramado e Nova Petrópolis, no Rio Grande do Sul. Quem chega à cidade pela BR-476, vindo do Sul, tem acesso direto ao novo atrativo. 

A obra começou no ano passado e foi concluída agora em outubro. Caciano Souza, diretor de turismo do Conselho de Desenvolvimento de São Mateus do Sul – CODESAMAS, é um dos idealizadores da Rua do Mate e esclarece que a ideia é atraiar visitantes mostrando num só lugar os encantos da cidade.

Em maio do ano passado, a primeira Festa da Colheita do Mate deu uma amostra disso. Confira no vídeo.

Não é qualquer chimarrão! 

A erva-mate é considerada uma super planta com mais de 190 componentes comprovados para a saúde. As propriedades tem aplicação na indústria cosmética, farmacêutica, alimentícia. E se você passar pela cidade, uma dica é tirar onda de morador local e conferir esse mate amargo na tranquilidade do banco da praça.

A cidade foi a primeira do Paraná a construir um chimarródromo público. Torneiras de água quente foram instaladas na Praça Nossa Senhora da Conceição, em frente à Igreja Matriz, e oferecem a água sempre entre 68°C e 72°C, faixa de temperatura considerada ideal para apreciar melhor todas as características da erva.

Outro ponto para conhecer e garantir uma foto é a caixa d’água da cidade, em formato de cuia. A estrutura da Sanepar tem 23m de altura e conta com o reservatório mais um tripé e a bomba. 

Erva-mate e cultura polonesa

Mas São Mateus do Sul não é só chimarrão! Em torno de 75% dos habitantes tem origem polonesa e a cultura dos colonizadores está estampada no casario tombado pelo patrimônio histórico, na alimentação típica e nas manifestações culturais preservadas. Investir na divulgação da riqueza dessa herança é um dos planos do setor turístico local, como explica Caciano Souza.

Os moradores convivem dia a dia com o futuro de inovações e o rico passado. Um passeio pelas margens do rio Iguaçu nos apresenta ao vapor Pery, símbolo das navegações que ajudaram no desenvolvimento da região e no enriquecimento de famílias tradicionais. Erva-mate e madeira eram escoadas pela hidrovia que ligava São Mateus do Sul, Porto Amazonas e União da Vitória entre o final do século XIX e meados do século passado. Mais de 70 vapores chegaram a navegar pelos 350 quilômetros de extensão da antiga hidrovia. Uma história que pode ser conferida numa visita à Casa da Memória Padre Bauer, bem no complexo da Rua do Mate. 

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.