Gislene Bastos
Viajar com sustentabilidade

Por Gislene Bastos

Viagens
Gislene Bastos

Não se trata só de preservar. Mas de restaurar!

Década das Nações Unidas da Restauração de Ecossistemas 2021-2030 visa prevenir, interromper e reverter a degradação dos ecossistemas em todos os continentes e oceanos. A pandemia tem sido generosa ao nos escancarar a fragilidade da vida na Terra. Somos interdependentes.

Não se trata só de preservar. Mas de restaurar!

4 de junho de 2021 - 18:28 - Atualizado em 5 de junho de 2021 - 08:31

A interdependência entre espécies e os ambientes nunca foi tão fácil de perceber como nesta pandemia gerada pelo coronavírus Sars-CoV-2, causador da covid-19. Vivemos há mais de um ano sob a ameaça silenciosa que coloca nossas saúde e vida em risco. E diante das perdas que tem números e resultados de guerra, tivemos a chance de perceber muito claramente as consequências letais das nossas ações e da falta delas. Aqui no Paraná ou na Europa, vimos animais silvestres ganhando o espaço urbano diante do esvaziamento das ruas. Apenas uma ocupação de espaço? Ou também um pedido de ajuda a quem se acostumou a andar rápido demais, ver sem olhar, consumir sem perceber? Vivemos um modelo de sociedade em que o consumo retira do Planeta muito mais do que ele é capaz de entregar no mesmo tempo. Há um esgotamento dos recursos naturais. E não se trata mais só de preservar. A urgência agora é para regenerar o que destruímos nas últimas décadas com a aceleração dos meios de produção.

Estamos no período do ano em que a preservação ambiental e as ações em defesa do Planeta ganham manchetes. Temos 05 de junho, Dia Mundial do Meio Ambiente, e 08 de junho, Dia Mundial dos Oceanos. As duas datas comemorativas foram criadas pela Organização das Nações Unidas como forma de discutir e realizar atividades de promoção de modelos de desenvolvimento mais justo e sustentável. Neste ano, as comemorações marcam o lançamento da Década das Nações Unidas da Restauração de Ecossistemas 2021-2030, – que visa prevenir, interromper e reverter a degradação dos ecossistemas em todos os continentes e oceanos. A representante do  Programa da ONU para o Meio Ambiente (PNUMA) no Brasil, Denise Hamú, é enfática ao afirmar: “Temos 10 anos para reviver o planeta – e precisamos fazer isso juntos”.

Inscreva-se no meu canal no YouTube ​ e acompanhe os bastidores no Instagram

Logo mais abaixo, aqui na coluna, destaco algumas ações para você se integrar às comemorações e agir de forma consciente para restaurar os ecossistemas. A sugestão é que durante essa semana você registre a sua participação nos eventos com a hashtag  #GeraçãoRestauração nas redes sociais. E sua voz será ampliada junto ao PNUMA.

Como regenerar?

Os caminhos para regenerar e proteger nossa biodiversidade passam por uma nova forma de olhar para o mundo ao nosso redor e paras as nossas atitudes de consumo. Como está tudo interligado, cada pequena ação individual gera consequências no todo. Um exemplo bem simples pode ser a sacola plástica do supermercado, que quando não descartada de forma adequada vai parar em algum lixão ou no meio da rua mesmo, e mais alguns dias acaba entupindo uma tubulação e contribuindo para cheias que geram perdas a uma comunidade inteira. Parece bobo? Pois é. E tem muita gente que ainda não se deu conta dessas correntes em que um elo liga com outro, outro e outro…

Quando não nos vemos como parte do todo continuamos a ter hábitos destrutivos da natureza – destrutivos de nós mesmos. Tratar o Planeta e a natureza em si apenas como fonte de recursos naturais para melhoria econômica da humanidade é um erro, aceito durante muito tempo pela sociedade. Não mais. Somos o resultado das relações sociais com o entorno.

A vida humana se tornou mais segura, saudável e tranquila a partir dos produtos e serviços oferecidos de graça pelo meio natural. Com o avanço do conhecimento humano desenvolvemos outras tantas soluções, usos e facilidades.  O desenvolvimento da agricultura moderna ampliou a oferta de alimentos e reduziu o número de pessoas que passam fome no mundo, de quase metade da população mundial em 1950 para aproximadamente 10% atualmente. Ainda é muita gente, mas os avanços são incontestáveis.

E tais avanços são dignos de comemorar ainda hoje; mas junto com o crescimento da produção agrícola veio a destruição em massa de alguns ecossistemas, como o Cerrado brasileiro. Estudos das Nações Unidas também comprovam que esse modelo atual perpetua privilégios, com o aumento de desigualdades sociais e a aceleração das mudanças climáticas. Acreditar que a natureza existe para satisfazer as necessidades humanas, nos coloca fora do problema e contribui para a extinção de espécies. A próxima extinção pode ser da espécie humana. 

Temos 10 anos para reviver o planeta – e precisamos fazer isso juntos.

Denise Hamú, representante do Programa da ONU para o Meio Ambiente (PNUMA) no Brasil.

Regeneração passa por repensar o consumo. Por isso mesmo, cientistas no mundo inteiro pedem que repensemos nossas escolhas e atitudes. Reduzir o consumo de carne, por exemplo! A emissão de gases de efeito estufa cai entre 10 e 50 vezes numa dieta baseada em plantas. Não é fácil. Mas é necessário. Se lhe parece impossível mexer no prazer do paladar (eu estou tentando!) podemos ir avançando aos poucos, convencendo a família para fazer a compostagem de resíduos orgânicos com a criação de uma horta caseira. Que tal? E muito cuidado com os resíduos sólidos; comece reduzindo a geração deles a partir da compra de produtos sem tantas embalagens, depois reaproveite o que der e descarte para reciclagem o que sobrar. Há muitos caminhos para evoluirmos como indivíduos e nos fortalecermos como espécie.

#GeraçãoRestauração na Semana do Meio Ambiente

Iniciativas do poder público e de organizações da sociedade civil mobilizam a população durante todo o mês de junho. Mas o forte está previsto nesta semana. Na página do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) a programação está sendo atualizada constantemente. Para participar, é só abrir e conferir!

A atual crise hídrica no Sul e Sudeste do país, que levou o governo federal a lançar um alerta de emergência hídrica, até setembro, para cinco Estados brasileiros: Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná, é tema para reflexões. A região integra a bacia do Rio Paraná, maior produtora agropecuária no país e sede de grandes hidrelétricas. Por causa das restrições geradas pela pandemia, a maior parte dos eventos está sendo realizada de forma on-line. Na programação de Curitiba, além da estiagem que coloca em risco o abastecimento da população, há palestras e cursos sobre educação ambiental e tratamento de resíduos. 

Já o governo do Estado estimula os cuidados para conservação ambiental com a Campanha #ParanáMaisLimpo. Os municípios são desafiados a postarem ações de limpeza nas próprias redes sociais com a hashtag da campanha. Mas, claro, tudo precisa ser feito com distanciamento social, uso máscaras e higienização das mãos frequentemente para controlar o avanço da covid-19. Nada mal! As cidades que participam das ações geram maior comprometimento da população com a natureza e ainda fortalecem o combate ao mosquito transmissor da dengue. Sim!!! Natureza e saúde tem total relação. 

E já pensou em correr para contribuir com ações por um mundo mais sustentável? É o que propõe a parceria entre o Instituto Akatu, organização sem fins lucrativos pioneira em ações para o consumo consciente, com a ASICS, fabricante de materiais esportivos.  O “Desafio ASICS – Cada Passo Conta” mobiliza corredores por todo o país até o dia 17 de junho. A meta é atingir 15 mil km percorridos, somando o desempenho de todos os competidores, para doação de R$ 15 mil pela empresa para o Instituto. Os participantes do desafio também concorrem a 4 vouchers de R$ 400,00 para usar como quiser no site da ASICS. Basta fazer a inscrição na página e redes sociais da Running Heroes, onde também deve ser feito o registro do desempenho dia a dia. Valem corrida, caminhada e esteira. 

E para acompanhar durante a semana…

Para ir entrando no clima de um dos maiores eventos do turismo nacional, o Festival das Cataratas promove entre os dias 09 e 11 de junho, o Conexão Cataratas. O evento online antecipa detalhes da programação da Feira de Turismo e Negócios, que será realizada presencialmente em dezembro, em Foz do Iguaçu/PR;  do Fórum Internacional de Turismo do Iguassu, evento técnico-científico no formato híbrido, que está aberto para submissões de artigos científicos e que também ocorre em dezembro; e do Hackatour Cataratas Developers, previsto para setembro. Também estão marcadas rodadas de negócios e treinamentos para agentes de viagens, mediante inscrição.

O Fórum de Investimento e Negócios de Impacto – Impacta Mais tem a quarta edição entre os dias 08 e 10 de junho. Nos três dias de evento on-line ocorrem debates, rodadas de negócios e workshops com especialistas e palestrantes nacionais e internacionais. O objetivo é construir soluções para o enfrentamento dos grandes desafios sociais e ambientais da realidade brasileira.

Empresários do Comércio e Turismo ganham um empurrãozinho para a inserção das empresas no mundo digital. O programa Fature+ visa a retomada econômica do Paraná com apresentação de soluções pelo Sebrae/PR e a Fecomércio PR, como cursos, mentorias com especialistas e parcerias com marketplaces de alcance nacional. O lançamento é neste dia 7 de junho, às 17h, pela internet

Última semana para inscrições na chamada de negócios AMAZ, que apoia iniciativas de geração de impactos socioambientais positivos da Amazônia. A seleção conta com uma jornada de aceleração e investimentos de até R$ 600 mil em mentorias; workshops com foco em mensuração de impacto, estratégia de comunicação, mercado e marketing, processos de gestão e boas práticas para captação de investimentos; serviços personalizados de apoio jurídico, contábil, técnico e de marca; bolsas de estudo; conexões entre negócios e com parceiros investidores; apoio no acesso a mercados e conexões com potenciais clientes.

Tá a fim só de relaxar?

Então se liga na Mostra Ecofalante de Cinema. Com programação até 9 de junho, a mostra traz uma seleção de 16 filmes e 2 séries de TV que falam da Amazônia. Também estão sendo realizados debates virtuais ao vivo com diretores de cinema e especialistas da USP. Tudo de graça e online. Por causa da pandemia, o festival está sendo realizado em duas etapas, a exemplo de 2020. A segunda parte da programação está prevista para setembro.

Obrigada por chegar até aqui! Todas as sextas-feiras publico neste espaço uma reflexão sobre temas relacionados a um estilo de vida que contribua para um mundo melhor, com foco em sustentabilidade e viagens. Além do que vale colocar no radar de atenção na semana seguinte! Inscreva-se no meu canal no YouTube ​ e acompanhe os bastidores no Instagram

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.