Entretenimento

Taylor Swift, Cher e Tim Cook pedem ao Senado que aprove lei de proteção para LGBT+

Reuters
Reuters
Taylor Swift, Cher e Tim Cook pedem ao Senado que aprove lei de proteção para LGBT+
Taylor Swift

26 de fevereiro de 2021 - 19:38 - Atualizado em 26 de fevereiro de 2021 - 19:40

Por Matthew Lavietes

NOVA YORK (Thomson Reuters Foundation) – Taylor Swift, Cher e o CEO da Apple, Tim Cook, juntaram-se a uma lista crescente de celebridades e corporações na sexta-feira para pedir ao Senado dos EUA que aprove uma legislação que amplia a proteção legal federal contra a discriminação para norte-americanos LGBT+.

A Lei de Igualdade, que altera a Lei dos Direitos Civis de 1964 para incluir orientação sexual e identidade de gênero como classes protegidas, além de raça, religião, sexo e origem nacional, foi aprovada na Câmara dos Deputados dos EUA na quinta-feira

Mas para que se torne lei, ela precisa de 60 votos no Senado, onde há uma divisão de 50 a 50 entre democratas e republicanos.

“SIM !!! Dedos cruzados e rezando para que o Senado veja os direitos trans e LGBT como direitos humanos básicos”, tuitou Taylor Swift.

Cook, presidente-executivo da Apple e um dos mais proeminentes líderes LGBT+ corporativos dos Estados Unidos, prometeu o apoio de sua empresa à legislação, tuitando que o Congresso precisava “fazer isso”.

Além da Apple, mais de 160 empresas também se manifestaram em apoio público ao projeto de lei nos últimos anos, incluindo Netflix, Amazon e Nike.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH1P1M4-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.