Entretenimento

Seal desfila canções românticas em show morno com Xênia França

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

28 de setembro de 2019 - 00:00 - Atualizado em 28 de setembro de 2019 - 00:00

Seal é o tipo de músico que o Rock in Rio adora. Há quatro anos, o festival cedeu o Palco Mundo para o crooner britânico, e em 2019 ele fechou o Palco Sunset em um dia em que músicos próximos da black music tiveram destaque: de Karol Conka e Lynn da Quebrada a Mano Brown e Bootsy Collins.

O show ganhou intensidade quando na metade final a cantora baiana Xênia França se juntou ao cantor e ao seu modesto trio para cantar Higher Ground, de Stevie Wonder, num dueto aplaudido, e depois acrescentar tons semi-psicodélicos a Future Love Paradise.

Mas a música de Seal parece se encaixar pouco na proposta que o Rock in Rio fez para a sexta-feira, com Alok, Bebe Rexha e Drake no Palco Mundo. Adepto das baladas românticas e dos standards – seu disco mais recente, de 2017, leva esse nome e tem canções de Duke Ellington e Cole Porter – é possível afirmar que sua música estacionou em algum momento pouco favorável dos anos 1990.

Num dia em que o público do Rock in Rio era notadamente muito jovem, os fãs que estavam na grade e se emocionaram quando Seal desceu do palco e foi cantar Love’s Divine segurando a mão da galera eram de uma faixa etária superior.

Um bom substituto seria um dos astros médios do neo-soul contemporâneo, representados em todo o line-up apenas pela cantora e compositora H.E.R.

Porém, Kiss on a Rose e Crazy levantaram os maiores coros do Rock in Rio até agora – e ninguém vai dizer que isso é pouco.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.