Entretenimento

Oficina da Secretaria de Meio Ambiente ensina egressos do patronato a construir cisterna em ferrocimento

O trabalho em parceria com a Itaipu e o Conselho dos Municípios Lindeiros ao Lago de Itaipu está sendo realizado no Horto Municipal. Objetivo da cisterna é captar a água da chuva para reuso

Oficina da Secretaria de Meio Ambiente ensina egressos do patronato a construir cisterna em ferrocimento
Foto: Welyton Manoel

10 de junho de 2021 - 10:51 - Atualizado em 10 de junho de 2021 - 10:52

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente está realizando uma oficina com egressos do Patronato Penitenciário de Foz do Iguaçu para a construção de cisterna em ferrocimento. A primeira parte, que envolve a montagem da estrutura e aplicação da camada de massa, foi nesta terça e quarta-feira (8 e 9).

A cisterna, que terá a capacidade para 16 mil litros, será utilizada para captação e reaproveitamento de água da chuva e será alimentada por calhas existentes na nova estufa implantada no Horto Municipal. A finalização da oficina, com a conclusão da cisterna, está marcada para os dias e 14 de junho. O trabalho é feito em parceria com a Itaipu Binacional e Conselho dos Municípios Lindeiros ao Lago de Itaipu.

“A escolha do local para a instalação da cisterna, cujo sistema servirá à irrigação das mudas de árvores, folhagens e flores presentes na estufa não foi por acaso, pois o equipamento soma-se às demais estruturas educadoras presentes no Horto Municipal e servirá como incentivo para práticas sustentáveis”, diz Ângela Meira, Secretaria Municipal de Meio Ambiente.

A atividade coordenada pela Secretaria, por intermédio da equipe de educação ambiental, promove a sustentabilidade ambiental, que é um dos princípios do Convênio Linha Ecológica: Educação para Sustentabilidade e Desenvolvimento Cultural do Território.

Durante a oficina, os 15 bolsistas têm a oportunidade de vivenciar todas as fases de planejamento até a execução da cisterna, aliando teoria e prática, além de aprender noções de sustentabilidade com o reuso de água da chuva.

“A importância da participação dos bolsistas egressos em projetos como esse, que considero um curso profissionalizante, é que nos fazem acreditar que podemos recolocá-los no mercado de trabalho e, consequentemente ,reintegrá-los à vida social”, comenta Sidnei Pazza, diretor administrativo do Patronato Penitenciário Municipal.