Música

Banda brasileira lança single com retrato do país “de sempre” redesenhado pelas recentes crises

Banda independente se levanta do underground para narrar uma realidade do brasileiro que se repete década após década

Carol
Carol Machado da equipe de estágio sob supervisão de Guilherme Becker
Banda brasileira lança single com retrato do país “de sempre” redesenhado pelas recentes crises
Imagem: divulgação

25 de janeiro de 2021 - 14:08 - Atualizado em 25 de janeiro de 2021 - 14:08

“Eu nunca fui um vencedor, mas sempre caminhei com fé. Os olhos cansados e as mãos calejadas me fizeram sentir dor, mas nem pensar em desistir. Pois tudo que me fez chorar, me trouxe até aqui”. O texto acima é o trecho de abertura da música O Vencedor, da banda brasileira A.F.U.G.A, que será lançada no próximo dia 31, em todas as plataformas digitais.

Além de um manifesto sobre a realidade da maior camada social do povo brasileiro, “O Vencedor” é um retrato de um cotidiano que voltou a se agravar.

“Estamos todos na casa dos 40 anos, aqui na banda. Nascemos e crescemos em meio a um Brasil de muitas crises. Hoje, vivemos uma nova crise. O Vencedor é sobre tudo isso. É sobre ser brasileiro e na maioria dos casos, ser pobre”, explicou o vocalista da A.F.U.G.A, Dalton Hayashi.

O guitarrista e produtor musical da banda, Tiago Hospede, diz que “O Vencedor” chama a atenção para a narrativa da esperança do povo.

“Não dá para ignorar que com tanta dificuldade, a busca por salvadores da pátria sempre foi o erro de todos nós. Eu nos incluo, pois somos povo sobrevivendo. Que brasileiro nunca se ajoelhou para pedir um milagre?”, desabafou Hospede.

Essa reflexão foi impressa na letra de o vencedor com a seguinte estrofe: “mas se você quer irmão é seguir em frente, vai ter que fazer tudo diferente”.

Clipe

A.F.U.G.A lança também o clipe de “O Vencedor”. Para ilustrar a música, o baixista Neto Rodrigues revela que o filme traz depoimentos de sertanejos que vivem na caatinga.

“Temos uma série de registros de uma viagem que fiz ao Sertão do Moxotó, no estado de Pernambuco, em 2017. Histórias sobre resiliência, trabalho, sobrevivência. Trouxemos para o clipe alguns trechos que são emocionantes”, revelou o baixista.

Foto: divulgação

Campanha

Os músicos da A.F.U.G.A não querem que o lançamento de sua primeira single seja apenas um ponto de partida da banda. A ideia da banda é ajudar a tirar uma família sertaneja da Taipa (moradia rudimentar feita de barro e galhos de caatinga).

“Liguei para um casal de amigos que vive no sertão, que trabalha pela emancipação das famílias da caatinga, e perguntei como poderíamos ajudar. Me disseram que havia um senhor com a casa “pronta” para cair em razão dos cupins. Ali estava nosso Vencedor”, entregou o baixista Neto.

Cícero é o nome do Vencedor a que Neto se refere. Um sertanejo de 38 anos, morador do Povoado de Baixas.

“Eu o conheci lá e aprendi muito sobre ser brasileiro neste país continental. Euclides da Cunha sempre teve razão, né ?”, disse o baixista Neto.

Baixas é um dos povoados mais pobres e vulneráveis do Sertão Pernambucano e já foi retratado, na década de 90, como um dos mais miseráveis da América Latina.

“Hoje a realidade é outra, mas a pobreza ainda está lá. Queremos dar nossa contribuição. Não podemos ajudar todos, mas podemos ajudar alguém. As pequenas mudanças fazem parte do todo”, disse Tiago Hospede.

Para isso, os músicos organizam uma campanha de financiamento coletivo pela internet. Para construir a casa eles precisam arrecadar R$ 17.000,00.

“Nós iremos colocar nossa contribuição, abrimos mão de rodar um filme para uma nova música do nosso E.P e ajudar também. Além disso, estamos mobilizando empresários, amigos, conhecidos, para fazer parte desta corrente. Esse será nosso lançamento, nosso palco e nossa missão”, concluiu Neto Rodrigues.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.