Entretenimento

Michael Douglas e Kathleen Turner falam de reencontro em “O Método Kominsky”

Reuters
Reuters
Michael Douglas e Kathleen Turner falam de reencontro em “O Método Kominsky”
76ª edição do Globo de Ouro em Beverly Hills, Califórnia, EUA

27 de maio de 2021 - 13:41 - Atualizado em 27 de maio de 2021 - 13:45

Por Alicia Powell

NOVA YORK (Reuters) – Kathleen Turner se une a Michael Douglas na tela na última temporada de “O Método Kominsky”, um reencontro que ocorre mais de 30 anos para os atores que viveram um casal que se divorcia em “A Guerra dos Roses”.

Douglas interpreta o protagonista, Sandy Kominsky, na comédia dramática popular da Netflix, e Turner se une ao elenco como sua ex-esposa, Roz. Alan Arkin, que interpretou Norman Newlander, agente e amigo de Sandy, não participa da temporada final.

A seguir, alguns trechos da entrevista à Reuters na qual Douglas e Turner, que também estrelaram filmes como “Tudo por Uma Esmeralda” e “A Joia do Nilo” nos anos 1980, falaram sobre voltar a atuar juntos.

P: Você teme que os fãs sintam falta do personagem de Alan Arkin?

Douglas: A série foi contratada originalmente para duas temporadas, dois anos, e as fizemos. Mas é um ritmo puxado… Alan é… alguns anos mais velho do que eu, e sei como foi duro. Então acho que provavelmente ele teve o bastante nas duas temporadas. Mas eu queria fazê-la todo ano. Queria amarrar a série, dar-lhe um começo, um meio e um fim.

P: Você se sente a substituta de Alan Arkin?

Turner: Existe o elemento de ser um amigo e um confidente que se perderia de outra forma. Mas não, acho que o relacionamento de Roz e Sandy é muito tempestuoso, e acho que é intrigante como eles são lembrados de como eram.

P: Por que a série é tão popular?

Douglas: Todo mundo consegue entender quais são as questões, em termos de questões do envelhecimento. Gostam da comédia. E acho que uma das coisas que fazemos muito bem é saltar da comédia para o drama sem esforço, que é a maneira como a vida é.

P: Como foi trabalhar com Kathleen Turner novamente?

Douglas: Embora tenham se passado 31 anos desde ‘A Guerra dos Roses’, a última vez em que realmente trabalhamos juntos… conversamos ao longo do tempo e é algo reconfortante que permite que um fale em cima do outro… para ficar muito mais à vontade, e neste caso, quando se está interpretando um velho casal divorciado, ajuda.

P: Quais são alguns dos momentos favoritos de sua carreira?

Turner: Bem, os filmes com Michael (Douglas), com certeza nunca me diverti tanto, por mais difícil que tenha sido na selva, no Saara ou no candelabro – Deus seja louvado. Ao mesmo tempo… faço muito teatro, e alguns dos grandes destaques para mim foram os espetáculos na Broadway, ou no West End de Londres.

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH4Q169-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.