Entretenimento

México pede ao Papa empréstimo de manuscritos indígenas da biblioteca do Vaticano

Reuters
Reuters

11 de outubro de 2020 - 13:10 - Atualizado em 11 de outubro de 2020 - 13:10

Por David Alire Garcia

CIDADE DO MÉXICO (Reuters) – O governo mexicano pediu formalmente ao papa Francisco a devolução temporária de vários manuscritos indígenas antigos mantidos na biblioteca do Vaticano em função do aniversário de 500 anos da conquista espanhola do México, em 2021.

O pedido para exibir os manuscritos no México foi feito em uma carta de duas páginas dirigida ao papa e publicada no sábado na conta do presidente mexicano, Andrés Manuel Lopez Obrador, no Twitter, mas com data de 2 de outubro.

A carta foi entregue ao papa pela esposa de Lopez Obrador, Beatriz Gutierrez Muller, que se encontrou com ele no Vaticano após uma agenda na sexta-feira com o presidente italiano, Sergio Mattarella.

Um dos três códices, ou livros, solicitados é o Codex Borgia, um livro colorido que ao longo de dezenas de páginas retrata deuses e rituais do antigo México central.

É um dos exemplos mais bem preservados de escrita ao estilo azteca pré-conquista espanhola que existe, depois que as autoridades católicas no México da era colonial rejeitaram esses códices como obra do diabo e ordenaram que centenas ou mesmo milhares deles fossem queimados nas décadas seguintes à conquista de 1521.

Na carta, Lopez Obrador solicita ao Vaticano a devolução do Codex Borgia, dois outros documentos antigos, bem como mapas da capital asteca de Tenochtitlan, para um empréstimo de um ano em 2021.

O presidente planeja no próximo ano uma série de eventos para marcar o aniversário da chegada dos espanhóis, que promoveram extermínio em massa da população indígena. Ele também reiterou pedido para que a Igreja Católica, assim como o rei espanhol Filipe VI, se desculpem pelas atrocidades cometidas pelos espanhois no México, o que López Obrador disse que representaria um “ato de contrição (arrependimento) histórica”.

O Vaticano ainda não respondeu ao pedido, mas seus museus e arquivos já emprestaram no passado vários manuscritos e obras de arte após pedidos semelhantes de outros países.