Livros

Ventos da lembrança

Já sonhava com poesia naquele tempo distante.

Ventos da lembrança

6 de agosto de 2020 - 12:41 - Atualizado em 2 de setembro de 2020 - 11:01

Vivíamos no interior do interior e era ótimo.

Não se falava em periferia naquela época.

Um bambuzal sombreava a estrada de cascalho.

Vacas pastavam tranquilas depois da ordenha.

Eu seguia rumo às chácaras para ganhar a vida.

Enxada nas costas e mil histórias na cabeça.

Já sonhava com poesia naquele tempo distante.

Magrinha e muito delicada você subia a serra.

Ia para o colégio e eu te encontrava. Sorria.

Um “oi” e “boa aula” era nossa comunicação.

Eu seguia meu caminho e te levava na cabeça.

À noite, no curso técnico, eu fugia da realidade.

Mergulhava em pensamentos e te revia feliz.

Aquele sorriso matinal me enchia de alegria.

Altas horas, voltava para casa e perdia o sono.

Ansiava pela manhã e por aquela magia de “oi”.

E tudo florescia em mim, quando você passava.

Enxada nas costas, chegava ao pé do eito.

Trabalhava sem sentir cansaço e tudo era leve.

Sem perceber, as coisas se transformaram.

Meu corpo deu um salto, mas meu espírito, não.

Corri o mundo, vi realidades, inventei histórias.

Senti dores, medos e o amargo da derrota.

Em apuros, invocava teu sorriso e aquele “oi”.

E tudo urgiu, se modificou e eu envelheci.

Mudei de cidade, mas nunca deixei a poesia.

Dia destes, caminhando, vi um bambuzal.

Parei. O vento soprou. Juro que ouvi teu “oi”.

Jossan Karsten

Imagem: Pixabay

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.