Entretenimento

Jogadores negros da Inglaterra enfrentam ofensas raciais após derrota na Eurocopa

Reuters
Reuters
Jogadores negros da Inglaterra enfrentam ofensas raciais após derrota na Eurocopa
Bukayo Saka é consolado por colegas de time após derrota da Inglaterra para a Itália na final da Eurocopa em Wembley

12 de julho de 2021 - 11:52 - Atualizado em 12 de julho de 2021 - 11:55

Por Michael Holden e Mitch Phillips

LONDRES (Reuters) – Jogadores negros da seleção da Inglaterra foram submetidos a uma enxurrada de ofensas racistas online após a derrota na final da Eurocopa 2020, atraindo ampla condenação do técnico da equipe, Gareth Southgate, além de políticos e a realeza britânica.

Marcus Rashford, 23 anos, Jadon Sancho, 21 anos, e Bukayo Saka, 19 anos, foram alvos de ofensas virtuais “repugnantes” depois de fracassarem na cobrança de pênaltis contra a Itália, que decidiu a final de domingo empatada em 1 x 1 após a prorrogação.

Os comentários levaram a uma investigação policial e condenações generalizadas, embora os críticos acusem alguns ministros de hipocrisia por se recusarem a apoiar a postura anti-racista que os jogadores tiveram durante o torneio.

“Para alguns deles, a ofensa é imperdoável”, disse Southgate em coletiva de imprensa. “Parte disso veio do exterior, nos disseram isso, mas parte é deste país.”

A seleção da Inglaterra foi elogiada por sua postura contra o racismo, enquanto vários jogadores também fizeram campanha por outras causas sociais. A composição multirracial do time foi aclamada como refletindo um Reino Unido moderno mais diversificado.

A seleção inglesa ressaltou a questão do racismo ao longo do torneio, ajoelhando-se antes de todas as partidas –um protesto feito pelo jogador de futebol norte-americano Colin Kaepernick e seguido pelo movimento Black Lives Matter no ano passado– dizendo que era uma simples demonstração de solidariedade contra a discriminação racial.

Entretanto, alguns torcedores vaiaram o gesto, que críticos veem como uma politização indesejada do esporte e uma expressão de simpatia por políticas de esquerda.

Alguns ministros são acusados de hipocrisia por terem se recusado a criticar aqueles que vaiaram no começo do torneio e agora condenarem as ofensas racistas.

“Este time da Inglaterra merece ser elogiado como heróis, não ofendido racialmente nas redes sociais”, disse o primeiro-ministro Boris Johnson no Twitter. “Os responsáveis ​​por este abuso terrível deveriam ter vergonha de si mesmos.”

Embora o próprio Johnson tenha dito que o time não deveria ser vaiado, seu próprio porta-voz inicialmente se recusou a criticar os torcedores sobre o assunto quando questionado no mês passado.

A ministra do Interior, Priti Patel, também disse que não apoiava jogadores que se ajoelhavam porque era uma “política de gestos” e que era uma escolha dos torcedores vaiarem os jogadores. Nesta segunda-feira, ela se juntou aos que repudiaram o abuso racista.

O príncipe William, que é presidente da Associação de Futebol, disse estar “enojado”.

“É totalmente inaceitável que jogadores tenham que suportar este comportamento abominável”, tuitou o neto da rainha Elizabeth. “Isto precisa parar agora, e todos os envolvidos deveriam ser responsabilizados.”

(Reportagem adicional de Elizabeth Piper, Simon Evans e Manasi Pathak)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH6B0RG-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.