Entretenimento

Executivos de jornal de Hong Kong são acusados de conluio com país estrangeiro

Reuters
Reuters
Executivos de jornal de Hong Kong são acusados de conluio com país estrangeiro
Policiais cercam sede do Apple Daily em Hong Kong

18 de junho de 2021 - 11:11 - Atualizado em 18 de junho de 2021 - 11:16

Por Jessie Pang e Sara Cheng

HONG KONG (Reuters) – A polícia de Hong Kong acusou o editor-chefe e o executivo-chefe do tabloide pró-democracia Apple Daily nesta sexta-feira de conluio com país estrangeiro, um caso de segurança nacional que causa temor na mídia da cidade.

Na quinta-feira, 500 policiais fizeram uma busca no veículo de notícias, e agentes foram vistos sentados diante de computadores na redação após a prisão de cinco executivos do Apple Daily ao amanhecer devido à suspeita de que dezenas de artigos violaram a nova lei de segurança de Hong Kong.

A polícia disse que acusou cinco deles nesta sexta-feira. Dois deles foram identificados pelo Apple Daily como o editor-chefe, Ryan Law, e o executivo-chefe, Cheung Kim-hung. Os outros três, o chefe de operações, Chow Tat-kuen, o vice-diretor-chefe, Chan Puiman, e o editor executivo, Cheung Chi-wai, continuam sob investigação.

A polícia ainda disse que processará três empresas relacionadas ao Apple Daily pelo mesmo crime depois de congelar o equivalente a 2,32 milhões de dólares em suas contas.

As prisões provocam mais alarme em relação à liberdade de imprensa em Hong Kong, e são criticadas por governos ocidentais, grupos internacionais de direitos humanos e associações de imprensa.

O principal porta-voz de direitos humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), Rupert Colville, disse à Reuters nesta sexta-feira que a operação “envia uma nova mensagem arrepiante sobre a liberdade de imprensa”.

Muitos apoiadores da democracia compraram cópias do Apple Daily nesta sexta-feira para protestar contra a operação.

(Por Jessie Pang, Sara Cheng, Sharon Abratique, Twinnie Siu, Joyce Zhou e Donny Kwok)

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH5H0SO-BASEIMAGE