Estrada da Graciosa: O caminho que leva a Morretes; mapa e informações

Vale a pena descer a Serra da Graciosa? Conheça os encantos e a história de uma das estradas mais bonitas do Brasil.

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
Estrada da Graciosa: O caminho que leva a Morretes; mapa e informações
A Estrada da Graciosa possui 40 km de extensão, e é uma das mais bonitas do Brasil.

14 de janeiro de 2020 - 00:00 - Atualizado em 18 de setembro de 2020 - 22:47

Não é por acaso que a Rodovia PR-410 recebeu o nome de Estrada da Graciosa. Natureza exuberante, ar puro e um cenário de tirar o fôlego fazem desta uma das estradas mais bonitas do Brasil. Com apenas 40 km de extensão, a rota turística do Paraná liga Curitiba ao litoral do estado, e às charmosas cidades de Morretes e Antonina, através da Serra do Mar. Um passeio obrigatório para quem aprecia as belezas naturais do Paraná. Confira aqui a história e todos os encantos da Graciosa, além do mapa e um guia especial com roteiros turísticos da região.

A Estrada da Graciosa é repleta de história, e está localizada no maior trecho preservado de Mata Atlântica do Brasil, o que atrai diversos turistas durante o ano. É marcada por uma intensa mata tropical, riachos, cachoeiras, hortênsias, picos, montanhas e outras atrações. O trajeto é mais longo e sinuoso do que a estrada convencional, mas, sem dúvida, vale a pena.  

Estrada da Graciosa: História

A Rodovia PR-410, mais conhecida como Estrada da Graciosa, utiliza a antiga rota dos tropeiros para estabelecer conexão entre os municípios de Quatro Barras (Região Metropolitana de Curitiba) às cidades históricas de Morretes e Antonina.

Primeiramente, no início do século XVIII, o local era conhecido como Trilha da Graciosa. Começou a ser construída em 1854, no ano de emancipação da Província do Paraná, e finalizada somente no ano de 1873. Naquela época, a Estrada da Graciosa era a única estrada pavimentada do estado, por isso foi considerada uma das mais importantes do Brasil.

Estrada da Graciosa. (Foto: Folha do Litoral)

A região serviu de rota de escoamento da produção agrícola do Paraná, com destino aos Portos de Paranaguá e Antonina. De acordo com registros antigos, todo o trecho da Estrada da Graciosa já era utilizado pela população indígena muito antes de suas construções começarem. Em seguida, portugueses, jesuítas, tropeiros, mineradores e até Dom Pedro II passaram pelo caminho.

Posteriormente, em 1992, uma parte do trajeto foi declarado pela UNESCO como Reserva da Biosfera da Mata Atlântica. A Estrada da Graciosa foi por muitos anos o único acesso ao litoral do Paraná, até a BR-277 ser construída, em 1969.

Portal da Graciosa

Um imponente portal de pedras dá às boas vindas aos visitantes, anunciando a entrada da Estrada da Graciosa. A atração turística foi feita pelas Missões Jesuítas, e traz em sua arquitetura todas as suas características. O local é uma parada obrigatória para quem aprecia registros fotográficos.

Portal da Graciosa (Foto: Marcos Guerra)

Recantos da Estrada da Graciosa PR

Ao longo da belíssima e sinuosa Estrada da Graciosa, o turista se encanta com toda a exuberância da fauna e flora, e com o charme dos 7 recantos com estacionamento da rodovia. Eles são compostos por estruturas bem cuidadas para lazer, como churrasqueiras, sanitários e mirantes, ideais para fazer uma pausa pela Serra do Mar paranaense. São eles:

  • Engenheiro Lacerda
  • Rio Cascata
  • Grota Funda
  • Bela Vista
  • Curva da Ferradura
  • Mãe Catira
  • São João da Graciosa
serra do mar
Serra do Mar, fotografada no Recanto Mãe Catira – Estrada da Graciosa (Foto: Edson Girelli)

Estrada da Graciosa Mapa

Confira abaixo o mapa turístico da Estrada da Graciosa, divulgado pelo Governo do Paraná:

mapa turistico estrada da graciosa
Mapa Turístico da Estrada da Graciosa (Divulgação Governo do Paraná)

Como chegar?

Gostou de conhecer a Estrada da Graciosa e quer programar a sua próxima aventura por lá, mas não sabe como chegar? O RIC Mais te ajuda! O acesso mais comum, a partir de Curitiba, é pela Rodovia Régis Bittencourt (BR-116). Após dirigir em torno de 40 km, pegue a saída 59 e logo vai avistar o belo Portal da Graciosa. Vindo de São Paulo, são cerca de 360 km, também pela BR-116.

Se for usar o GPS, cuidado para não ser guiado à Rua Estrada da Graciosa, que é paralela à BR-116. Uma boa dica, que encontramos no site Conheci e Curti, é colocar como destino a cidade de São Paulo, e após passar pela saída do Contorno Leste, trocar o destino final para Morretes

As curvas sinuosas da Estrada da Graciosa. (Reprodução: Dalvani Weber Lima)

Estrada da Graciosa em tempos de Covid-19

A Estrada da Graciosa está aberta? Infelizmente, o local encontra-se fechado para turistas desde o início da pandemia no Paraná. O trajeto conta com fiscalização das prefeituras de Quatro Barras, Morretes e Antonina para garantir o bloqueio.

Cada cidade adotou uma medida de combate ao coronavírus (Covid-19), mas as três proíbem que turistas parem em qualquer ponto da Estrada da Graciosa. Até o momento, o trajeto está liberado para entrega de mercadorias em estabelecimentos essenciais e serviços de emergência, e circulação de profissionais de segurança privada e da área de saúde, além de serviços funerários, caminhões de carga e residentes da região.

Passeio de Trem e Estrada da Graciosa

Uma excelente dica para os turistas é ir até Morretes de trem e voltar de carro pela Estrada da Graciosa. São duas experiências únicas, que juntas ficam ainda melhores. O passeio de trem dura em torno de 3 horas, e passa por paredões de pedra, túneis, montanhas, represas, pontes e cachoeiras. Algumas operadoras de turismo oferecem este passeio, além de um bate-volta à cidade de Antonina.

Passeio de trem na Serra do Mar (Foto: Serra Verde Express)

Guia Viva Graciosa

Outra boa dica para quem vai passear pela Estrada da Graciosa é adquirir o Guia Viva Graciosa. Lançado no final de 2019, o material foi elaborado para fomentar o turismo da região. O guia sugere passeios, estabelecimentos e cupons de descontos aos turistas. A criação é da Coezo Marketing Cultural, em parceria com o Sebrae/PR, Fundação Grupo Boticário, Paraná Turismo e Ecovia.

De acordo com a consultora do Sebrae/PR, o Guia da Estrada da Graciosa fortalece a imagem dos destinos, além de impulsionar negócios em:

  • Antonina;
  • Morretes, no Litoral;
  • Quatro Barras, na região turística Rotas do Pinhão.

“Ao divulgar belezas naturais, culturais e atrações gastronômicas, nosso objetivo é gerar aumento de fluxo de turistas e de negócios para micro e pequenas empresas na Serra da Graciosa, fortalecendo o setor”, conta Caren Nanci dos Santos, consultora do Sebrae/PR.

estrada da graciosa
Vista aérea de um trecho da Estrada da Graciosa. (Foto: Drone Viagens e Caminhos)
Região turística representa 19% de atrativos do Paraná

Ligados pela Estrada da Graciosa, um dos principais corredores turísticos e atrativos culturais do Estado do Paraná, que atravessa o trecho mais preservado de Mata Atlântica do Brasil, os três municípios concentram mais de 300 pequenas empresas do setor de turismo, sendo 245 do segmento gastronômico.

Conforme dados da Paraná Turismo, a região  do Litoral do Paraná representa 19% dos atrativos turísticos do Estado, e a da Rotas do Pinhão concentra 16%, o que reforça a expressividade turística da localidade.

O que o Guia Viva Graciosa oferece para os turistas?

guia da estrada da graciosa
Guia Viva Graciosa (Foto: Divulgação)

Além de parques temáticos e recantos turísticos, a Estrada da Graciosa tem atividades de turismo de aventura e ecoturismo, vinícolas, artesanatos e diversos serviços, que o turista encontra no Guia. Há indicações sobre o que e onde comer, opções de hospedagem, descrição de estabelecimentos, sugestões de passeios e cupons com mais de R$ 150 em descontos, em serviços locais.

O Guia oferece roteiros de cerca de quatro horas, que apresentam opções em torno da Estrada da Graciosa para aumentar a permanência dos turistas. As sugestões valorizam o contato com as particularidades locais, a exemplo da gastronomia. Além disso, destacam estabelecimentos que preservam a Mata Atlântica, a história e a cultura local.