Entretenimento

Democratas batem republicanos em audiência televisiva de primeira noite de convenção

Reuters
Reuters
Democratas batem republicanos em audiência televisiva de primeira noite de convenção
Discurso de Donald Trump Jr. durante a Convenção Nacional Republicana

25 de agosto de 2020 - 18:36 - Atualizado em 25 de agosto de 2020 - 18:40

Por Helen Coster

(Reuters) – Cerca de 15,8 milhões de pessoas assistiram à primeira noite da Convenção Nacional Republicana dos Estados Unidos na segunda-feira, de acordo com a Nielsen Media Research, um número menor que os 18,7 milhões de espectadores que acompanharam a primeira noite de Convenção Nacional Democrata no mesmo número de canais de televisão. 

O número de telespectadores da convenção republicana reflete a audiência de seis canais de TV entre 22h e 23h no horário da Costa Leste dos Estados Unidos, e não inclui espectadores online e por streaming. A Fox News teve a maior audiência, com 7,1 milhões de espectadores.

No total, cerca de 19,7 milhões de pessoas assistiram à primeira noite da convenção democrata em 10 canais de televisão dos EUA no dia 17 de agosto. Um número comparável para a convenção republicana é esperado para terça-feira.

A primeira noite da convenção republicana teve discursos de personalidades do partido como a ex-embaixadora na ONU e ex-governadora da Carolina do Sul, Nikki Haley, de Donald Trump Jr., o filho mais velho do presidente norte-americano, e de Mark e Patricia McCloskey, o casal da cidade de St. Louis que apontou armas a manifestantes do movimento Black Lives Matter que passaram marchando por sua casa. 

Cedendo à realidade da pandemia, quase todos os que discursaram falaram a um auditório praticamente vazio em Washington, apesar da vontade do presidente Donald Trump, que queria um grande evento para discursar diante de milhares de seus apoiadores. 

Ao defenderem a reeleição de Trump no dia 3 de novembro, muitos dos que falaram retrataram os Estados Unidos como um país à beira do caos, argumentando que a eleição do democrata Joe Biden levaria a um socialismo radical e a restrições às liberdades dos americanos.

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEG7O1NK-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.