Cultura

Com obras de João Turin, Memorial Paranista é entregue nesta sexta (14)

Localizado no Parque São Lourenço, o Memorial inaugurado nesta sexta -feira (14) visa aliar arte, turismo, meio ambiente e lazer

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
Com obras de João Turin, Memorial Paranista é entregue nesta sexta (14)
Prefeitura entrega o Memorial Paranista (Foto: Lucilia Guimarães/SMCS)

14 de maio de 2021 - 17:25 - Atualizado em 14 de maio de 2021 - 17:25

A Prefeitura de Curitiba entregou nesta sexta-feira (14), o Memorial Paranista, um complexo cultural de 6.000 m², no Parque São Lourenço. O local com uma coleção de obras do escultor paranaense João Turin e valoriza o pinheiro, o pinhão, a erva-mate e a gralha azul, alguns dos elementos típicos do Paraná.

O projeto foi desenvolvido pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc) e executado pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente e pela Fundação Cultural de Curitiba.

“O Memorial Paranista é um exemplo único da união da cultura e do meio ambiente. Suas galerias com obras únicas, o Jardim das Esculturas e demais espaços enaltecem os símbolos do nosso estado e também temas recorrentes do trabalho do mestre João Turin”,

destaca o prefeito.

Estrutura

O Memorial Paranista é formado pelo Jardim das Esculturas e por três edificações interligadas por uma galeria com cobertura de vidro. De um lado, estão os acessos para o Teatro Cleon Jacques e para as duas salas de exposições. Do outro, o novo Ateliê de Esculturas, o Liceu das Artes e a loja #CuritibaSuaLinda, com produtos de artistas, designers e artesãos curitibanos.

Na próxima e última etapa, será reformado o prédio do antigo ateliê de esculturas para abrigar a Casa da Leitura Augusto Stresser e uma cafeteria.

O Jardim das Esculturas, na parte externa, é composto de um jardim com elementos paranistas, fontes de água e 13 obras de proporções heroicas do acervo de João Turin.

Todas as peças são feitas de bronze – a maior delas é a “Marumbi”, com 3 metros de altura, quase 3 metros de largura, 1 metro de profundidade e aproximadamente 700 kg. Esta peça está estrategicamente instalada, a partir de uma perspectiva da galeria, em frente às fontes de água e ao portal representativo da arquitetura paranista.

Veja a reportagem no Paraná no Ar:

Fornos no ateliê

O Memorial Paranista ganhou um moderno Ateliê de Esculturas e a Fundição Turin, com fornos e equipamentos para fundição também doados pelo ateliê Turin (de propriedade da Família Lago). O ateliê do Memorial Paranista é equipado com fornos para derretimento do bronze, moldes para cera, máquinas de solda plasma, cabine de jato e um pórtico móvel para carregamento de obras de grandes dimensões.

Visitas agendadas

A partir deste sábado (15), no site do Memorial Paranista, o público poderá realizar o agendamento para visitação gratuita (limitadas por conta da covid-19). As visitas acontecem de hora em hora: de terça a sexta-feira, às 10h, 11h, 12h, 14h, 15h, 16h e 17h; e aos sábados, além desses horários, também às 13h.

Uma pessoa pode agendar para no máximo quatro visitantes e cada visita comporta 50 pessoas, sendo 30 vagas reservadas para agendamentos individuais e 20 vagas para grupos turísticos ou escolares.

Sobre João Turin

A principal atração do Memorial Paranista é o precursor do movimento que representou a cultura paranaense: João Turin.

Um dos criadores e principal expoente do Movimento Paranista, o artista plástico nasceu em Porto de Cima, em Morretes, litoral do Paraná, em 21 de setembro de 1878.

Descendente de italianos, a partir dos 12 anos, órfão de mãe e para ajudar no sustento da família, Turin trabalhou como ferreiro e, a seguir, como entalhador em uma fábrica de móveis. Nessa atividade, começou a descoberta de sua aptidão para a escultura.

João Turin, idealizador do Paranismo (Foto: Arquivo/ Prefeitura Municipal de Curitiba)

Fumante e com problemas cardíacos, o artista faleceu em 9 de julho de 1949, no Hospital da Cruz Vermelha, em Curitiba, pouco antes de completar 71 anos.

Deixou uma variada produção artística que integra o acervo do Museu Municipal de Arte (MuMA), da Fundação Cultural, além de bustos, hermas e esculturas instaladas em logradouros públicos. Além do Paraná, deixou obras no Rio de Janeiro e na França.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.