Entretenimento

Cocar asteca seria danificado em viagem ao México para exibição, diz museu austríaco

Reuters
Reuters
Cocar asteca seria danificado em viagem ao México para exibição, diz museu austríaco
Museu de Etnologia de Viena

14 de outubro de 2020 - 16:19 - Atualizado em 14 de outubro de 2020 - 16:20

Por Stefanie Eschenbacher

CIDADE DO MÉXICO (Reuters) – Atender o pedido do governo mexicano e enviar um famoso cocar asteca da Europa ao México para uma exibição danificaria seriamente o artefato pré-histórico frágil, afirmou o museu austríaco que o abriga nesta quarta-feira.

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, solicitou nesta semana um empréstimo do cocar de penas colorido e cravejado de joias para poder exibi-lo em eventos que lembrarão o 500º aniversário da queda do império asteca diante da Espanha no ano que vem.

Uma avaliação da relíquia –que se diz ter pertencido ao imperador asteca Montezuma– concluiu que ele é frágil demais para se removido, explicou Sabine Haag, chefe da associação de museus KHM, que inclui o Museu de Etnologia de Viena, o lar atual da peça.

A avaliação foi realizada sem representantes mexicanos entre 2010 e 2012.

O transporte, seja por terra, mar ou ar, danificaria imensamente o antigo cocar de penas mexicano”, disse Haag em um comunicado à Reuters.

Mesmo assim, ela disse que o pedido foi encaminhado ao Ministério da Cultura da Áustria para uma nova avaliação.

Com quase 1 metro de comprimento e feito com mais de 450 penas elegantes de cor verde brilhante, o cocar supostamente foi usado por Montezuma antes de ele ser deposto pelo conquistador espanhol Hernán Cortés.

O Museu de Etnologia de Viena disse que cidadãos mexicanos tem entrada livre para desfrutar da herança cultural.

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEG9D1PW-BASEIMAGE