Cinema & Filmes

Brian Eno relança disco com trilha sonora de filme sobre a presença do homem na lua

Clássico de 1983, Apollo: Atmospheres & Soundtracks ganha faixas inéditas e vira álbum duplo para marcar os cinquenta anos da chegada ao solo lunar

Abonico
Abonico Smith / Jornalista e professor especializado em arte, cultura e entretenimento
Brian Eno relança disco com trilha sonora de filme sobre a presença do homem na lua
Clássica foto da Terra mostrada no documentário

20 de julho de 2019 - 00:00 - Atualizado em 20 de julho de 2019 - 00:00

Cotação: ★★★

Na semana em que se comemora os 50 anos da chegada do homem à lua, Brian Eno tem um de seus melhores discos produzidos nos anos 1980 relançado em lojas e plataformas de streaming. Agora álbum duplo, Apollo: Atmospheres & Soundtracksreúne o melhor de dois momentos do músico e produtor. O primeiro CD resgata na íntegra, com suas doze faixas remasterizadas, a obra original de 1983. O outro traz onze músicas inéditas, também gravadas com o auxílio do irmão Roger Eno e o amigo Daniel Lanois.

Apollo: Atmospheres & Soundtracksreúne o trabalho feito por Eno para a trilha sonora de For All Mankind. Dirigido por Al Reinert e lançado em 1989, o documentário reúne em oitenta minutos imagens de propriedade da Nasa que retratam os bastidores de todas as missões Apollo de ida à lua realizadas entre os anos de 1969 e 1972. Além de curiosidades que flagram o que se passava tanto dentro das espaçonaves quanto na base terrena em Houston, que monitorava atentamente os lançamentos e todos os passos destas investidas espaciais, o filme contém imagens de deixar qualquer pessoa maravilhada. Nosso planeta visto do espaço (mais precisamente o deserto do Saara, com direito até ao fogo produzido pelas tribos beduínas vistos como pontos de luz), o nascer do sol visto da atmosfera terrestre, a primeira fotografia da Terra como um grande círculo azul, as primeiras imagens tiradas em distância próxima à lua, a viagem pelo lado escuro do nosso satélite natural e, claro, momentos clássicos como o pouso em solo lunar, a primeira caminhada do astronauta Neil Armstrong e a bandeira dos EUA (que fica reta por causa de uma haste superior escondida preparada para mantê-la assim) sendo fincada. Trechos da trilha preparada por Eno em 1982 – a finalização do documentário acabou atrasando por alguns anos – pontuam a obra audiovisual sem narração, trazendo apenas as falas pontuais de astronautas e membros da NASA.

Ouvir a música feita por Brian na época sem ver o filme de Reinert é algo tão impactante quanto. Vindo de outros discos no terreno da ambient music(gênero musical que enfatiza timbres, texturas e estruturas no lugar do ritmo e da melodia), aqui Eno mostra bastante desenvoltura para se colocar no lugar dos astronautas solitários no espaço e criar algo que complemente a experiência de passar vários dias no espaço, em um lugar apertado, sem gravidade, indo rumo ao desconhecido. Faixas sombrias como “Matta” e “Signals” revelam-se bastante propensas à reflexão que sempre vem a reboque da solitude. O contrário também acontece. Na metade final do disco, as guitarras – a cargo de Roger e Lanois – passam justamente a sensação contrário, a de estar relaxado diante de uma amplidão jamais vista e vivida anteriormente.

Já no segundo disco, as onze faixas inéditas apontam para direcionamentos inexistentes no material feito para a trilha de For All Mankind. Batidas suaves já surgem no início com o uso de padseletrônicos e programações. Pequenas melodias, sequências harmônicas e riffs, mesmo que minimalistas, são mais explorados também, revelando a intenção de Brian de ir bem além da mera ambientação sonora. É a evolução de quase quatro décadas, período em que Eno ficou mais conhecido por ser o produtor de discos de bandas pop de extremo sucesso comercial como Coldplay e U2. Pegando um caminho mais pop e chegando a flertar com o que acabou ficando conhecido por new age, propõe uma segunda metade completamente diferente da original, mas sem alcançar a mesma beleza extrema da primeira. Somente na trinca de faixas finais (“Under The Moon”, “Strange Quiet” e “Like I Was A Spectator”) é que ele chega de algo próximo ao resultado do estupendo material produzido lá no começo dos anos 1980.

Esta versão estendida mostra-se oportuna para a data da comemoração de meio século da primeira pegada humana em solo lunar, mas traz um apêndice dispensável em relação ao material original. Este, sim, um grande clássico e um dos pontos altos de sua carreira autoral.

Apollo: Atmospheres & Soundtracks (Extended Editon). Artista: Brian Eno with Daniel Lanois & Roger Eno. Faixas: “Under Stars”, “The Secret Place”, “Matta”, “Signals”, “An Ending (Ascent)”, “Under Stars II”, “Drift”, “Silver Morning”, “Deep Blue Day”, “Weightless”, “Always Retuning”, “Stars” “The End Of A Thin Cord”, “Capsule”, “Decades’, “At The Foot Of  A Ladder”, “Clear Desert Night, “Over The Canaries”, “Last Step From The Surface”, “Fine-Grained”, “Under The Moon”, “Strange Quiet”e “Like I Was A Spectator. Tempo total: 92:51. Gravadora: EG/Universal. Lançamento mundial: 19 de julho de 2019.