Energia

Projeto Gralha Azul doa painel solar para quilombolas

Instalação foi realizada em Usina de Beneficiamento de Mandioca, gerenciada por mulheres da comunidade e construída pelo programa Pró-Rural

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

Com objetivo de contribuir com o desenvolvimento local, o Sistema de Transmissão Gralha Azul, da ENGIE Brasil Energia, realizou a doação e instalação de painéis fotovoltaicos para Comunidade Remanescente de Quilombolas Rio do Meio, no município de Ivaí (PR).

Os painéis serão usados pela Usina de Beneficiamento de Mandioca da comunidade, construída pelo Programa Pró-Rural, da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento do Governo do Paraná, com o objetivo de contribuir para “independência econômica e inclusão produtiva, e avançar na segurança alimentar da comunidade”.

O grupo de beneficiamento da mandioca atualmente é composto por 15 mulheres, que são acompanhadas por Rafael Araújo, engenheiro agrônomo e extensionista rural da Emater. A Unidade de Beneficiamento fica em um terreno doado pelo senhor Juvenil Moro que tem cerca de 160 metros quadrados, e está vinculada à Associação de Moradores da comunidade.

“Embora a comunidade tenha acesso à energia elétrica, o fornecimento é instável e deficitário. Como forma de apoiar a comunidade, a ENGIE realizou a instalação dos painéis fotovoltaicos na Usina. Trata-se de um sistema fotovoltaico de 9,68 kWp de potência, composto de 22 módulos de 440w (entre os mais atuais e eficientes disponíveis no mercado) e com uma geração de energia estimada, podendo chegar à mais de 12.000 kWh por ano”

Explicou Marcio Daian Neves, diretor de implantação do Sistema de Transmissão Gralha Azul
(Foto divulgação / Engie Brasil)

O Programa de Desenvolvimento Econômico e Territorial (Pró-Rural) tem o objetivo de aumentar a competitividade dos pequenos produtores rurais das regiões Central, Norte Pioneiro e Vale do Ribeira, de forma social e ambientalmente sustentável. Por meio dele, é possível aumentar a produtividade e a comercialização e promover conexões com parceiros e mercados de outras regiões, além da possibilidade de regularizar a posse da terra e melhorar a qualidade de vida.

Em 2018, a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado do Paraná firmou um termo de fomento com a Associação da comunidade para a construção Unidade de Beneficiamento de Mandioca, buscando o desenvolvimento local. Os recursos para a construção vieram do Banco Mundial, com o objetivo de fomentar e auxiliar as comunidades em vulnerabilidade social e a agricultura familiar. Cerca de R$ 250 mil foram destinados para as obras da Usina.

“Durante todo o desenvolvimento desse projeto com a comunidade percebemos a necessidade não só da construção, como, também, da aquisição de equipamentos que ajudassem às mulheres no dia a dia do beneficiamento da mandioca. Assim, foram adquiridos diversos implementos, como lavador, palitador, descascador, freezer, embalador à vácuo, além de computadores e internet, para que a Usina de Beneficiamento pudesse ser mais eficiente e ágil na sua rotina diária. Mas, tudo isso, necessita de uma capacidade energética ainda maior, não disponível, até então, nessa proporção, na região. Aí surgiu a ideia de propormos à ENGIE, por meio do Sistema de Transmissão Gralha Azul, a doação de painéis fotovoltaicos para prover a energia necessária para a comunidade. Depois de um tempo de conversas e avaliação das necessidades, o projeto de energia limpa e sustentável está completo e implementado. Além disso, essa doação proporcionará uma economia na conta de energia mensal da Usina, que tem valores bem expressivos, o que contribuirá ainda mais para o desenvolvimento da comunidade.”

contou Raphael Araújo, extensionistarural da Emater

Sobre o ST Gralha Azul

As obras do ST Gralha Azul, da ENGIE, passarão por 27 municípios paranaense, promovendo a geração de cerca de cinco mil vagas de emprego, com a construção de mais de 1.000 quilômetros de linhas de transmissão e 2.200 torres.

Em execução no Paraná desde setembro de 2019, o projeto – que tem o investimento de R$ 2 bilhões – contempla a construção de cinco novas subestações de energia, cinco ampliações de subestações já existentes e quinze linhas de transmissão.

Sua implantação deverá ser concluída setembro de 2021, com a operação escalonada prevista para iniciar em julho.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.