Energia

Licenciamentos ambientais autorizam as obras do projeto Gralha Azul

Ao todo, o Sistema Gralha Azul já apresentou 17 programas sócios ambientais

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

5 de janeiro de 2021 - 09:54 - Atualizado em 21 de janeiro de 2021 - 18:37

Para fazer um projeto de dimensões impressionantes, como é o caso do sistema de transmissão Gralha Azul, é preciso muito trabalho antes de qualquer máquina entrar em funcionamento. O primeiro desafio foi conseguir a liberação do licenciamento ambiental, que precisa seguir determinações do código florestal brasileiro.

Até agora foram liberadas 170 das 250 licenças que serão necessárias até a conclusão do projeto. Tudo está dentro do planejamento da Engie Brasil, que ganhou a concessão federal licitada em 2017 e teve as obras iniciadas em 2018.

Técnicos da MineroPar, Instituto Ambiental do Paraná (IAP), Instituto Água e Terra (IAT) entre outros, foram os principais responsáveis pelas análises e depois pelas liberações das licenças ambientais para a construção das linhas de transmissão.

Esse corpo técnico, fez uma análise em todos os documentos apresentados por essa empresa e decidiu que realmente pleito da empresa é válido, inclusive seguiu todos os ritos formais. E procurou fazer essa obra no local de menos impacto.

Afirmou Márcio Nunes, Secretário do Meio Ambiente do Paraná

Entretanto, a obra atinge propriedades agrícolas, áreas de mata nativa, e áreas de mananciais.

Foram dois anos de rigosos estudos de impacto ambiental. Nesse processo são realizadas dezenas de vistorias, aéreas e terrestres, não somente pela Engie, mas também pela equipe do orgão ambiental competente. São realizadas audiências públicas, são realizados estudos e inventários floretais. São realizados depois todos os estudos complementares associados para obter as licenças.

contou Márcio Neves, Diretor do Sistema Gralha Azul

O impacto ambiental causado pela construção de 2.200 torres nos 27 munincípios por onde vai passar o sistema, também causado pela ampliação e construção de novas subestações de energia é considerável. Por isso, para garantir as licenças ambientais necessárias e execução das obras, a empresa Engie apresentou a contrapartida, na forma de programas de proteção a flora, a fauna, e as comunidades locais.

Ao todos, são 17 programas sócios ambientais em desenvolvimento. A preocupação com os impactos antes do início da obra garantiu a passagem das linhas de transmissão a uma distância segura de comunidades tradicionais da região.

Como nos licenciamos, autorizamos um empreendimento deste tipo, nós temos que preservar, por exemplo, a cultura da região. Se nós passássemos uma linha de transmissão no meio da comunidade Witmarsum, imagine o prejuízo que teria, social, para aquele grupo, que deve ser mantido.

defendeu, Eventon Souza, Presidente do Instituto Ambiental do Paraná

O acordo para confirmar o licenciamento prevê, entre outros benefícios, o replantio em dobro da vegetação atingida. Além da indenizações aos agricultores afetados.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.