Educação

Paranaenses tem alto índice de aprovação no exame da OAB

Para o presidente da Comissão Nacional de Exame de Ordem, Marco Aurélio Choy, a prova é um instrumento que confere equidade à advocacia

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
Paranaenses tem alto índice de aprovação no exame da OAB
Paranaenses são maior grupo com aprovação no exame da OAB (Foto: Pixabay)

2 de julho de 2022 - 07:00

Um total de 34% dos candidatos paranaenses que prestaram o 33º Exame da Ordem Unificado (EOU) realizado pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (CFOAB) – em 17/10/2021 foram aprovados. Desde a unificação da prova em 2010, a porcentagem se repetiu apenas nos anos de 2013 e 2015, sendo a maior do período histórico.

O percentual corresponde a 3.313 candidatos dentre um total de 9.785 inscritos que realizaram a prova. O número supera as últimas duas edições da prova, quando as taxas de aprovação foram de 21% e 24%, respectivamente. Atualmente, a 34ª edição encontra-se em finalização de compilação de dados, enquanto a 35ª edição está em andamento e os dados devem ser divulgados no próximo ano. 

Embora os números indiquem um aumento gradual no percentual de aprovados, o que indicaria uma melhora – ainda que tímida – na qualidade dos cursos de direito, o índice ainda é considerado baixo. A própria OAB Nacional tem reprovado boa parte dos cursos recém-autorizados pelo Ministério da Educação. 

“Ainda precisamos avançar muito na formação de futuros advogadas e advogadas. A OAB tem o compromisso de lutar e contribuir com a modernização do ensino jurídico brasileiro, sem dispor de sua qualidade, eficiência e superioridade técnico-científica”,

afirma o presidente da OAB Nacional, Beto Simonetti. 

Do total de aprovados, 1.088 examinandos solicitaram o reaproveitamento de pontos da edição anterior (32º EOU) para ingressarem diretamente na segunda fase do 33º exame. O reaproveitamento se dá quanto à aprovação na 1ª fase (prova objetiva) de um determinado exame, para que o candidato possa prestar diretamente a 2ª fase (prova prático-profissional) do EOU imediatamente subsequente. 

Para o presidente da Comissão Nacional de Exame de Ordem, Marco Aurélio Choy, a prova é um instrumento que confere equidade à advocacia.

“É um case de sucesso por ser o maior concurso jurídico do mundo. Mudanças e novidades são pensadas sempre, com o intuito de melhorar a aplicação, mas tudo feito com parcimônia. O Exame de Ordem é, sem dúvida, um meio de suma importância para o Direito”,

entende Choy. 

No 33º EOU, 26 campi alcançaram 100% de aprovação no desempenho geral (contando o reaproveitamento), embora seja necessário ressaltar que, em algumas destas situações, apenas um aluno do curso foi inscrito, tendo conseguido a aprovação. Nestas situações é necessário associar este dado a outros para se avaliar o desempenho da instituição. 

Quer mandar uma sugestão de pauta pro RIC Mais? Descreva tudo e mande suas fotos e vídeos pelo WhatsApp, clicando aqui