Economia

Ibovespa recua com exterior negativo e receios ficais no Brasil; Log-In dispara

Reuters
Reuters
Ibovespa recua com exterior negativo e receios ficais no Brasil; Log-In dispara
Sede B3

16 de setembro de 2021 - 12:01 - Atualizado em 16 de setembro de 2021 - 12:05

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) – O Ibovespa engatava nesta quinta-feira a terceira queda seguida, trabalhando abaixo dos 114 mil pontos pela primeira vez na semana, em meio a um exterior desfavorável e manutenção de incertezas domésticas, enquanto Log-In disparava após oferta de compra do controle da companhia pela MSC.

Às 11:41, o Ibovespa caía 1%, a 113.907,62 pontos. O volume financeiro somava quase 9 bilhões de reais, com o pregão também marcado pelas operações relacionadas ao vencimento de opções sobre ações na sexta-feira.

No exterior, o norte-americano S&P 500 caía 0,48%, pressionado pelo declínio do setor de tecnologia e de ações do segmento de energia em meio à queda dos preços do petróleo. Dados sobre as vendas no varejo dos Estados Unidos também estão no radar. [nL4N2QI2RD]

De acordo com a equipe da Planner, investidores também continuam atentos às notícias da China, que segue lidando com problemas internos na sua economia e na política, com regulações impostas às empresas pelo governo. Tais eventos têm pesado nos preços do minério de ferro e afetado as ações da Vale.

No Brasil, agentes financeiros veem a falta de avanço efetivo nas negociações relacionadas à questão dos precatórios como um componente que infla ainda mais as incertezas sobre a trajetória das contas públicas para o próximo ano, em meio a perspectivas de crescimento menor, juros e inflação em alta.

Em comentários a clientes, a Guide Investimentos também citou impasse em torno do financiamento dos precatórios enquanto o governo federal busca uma fonte de financiamento para o seu “Auxílio Brasil”, nova versão do programa Bolsa Família.

DESTAQUES

– VALE ON recuava 2%, na esteira de nova queda dos preços do minério de ferro na China, com os contratos futuros de referência na bolsa de Dalian fechando em baixa de 3,9%, para 671 iuanes por tonelada.

– PETROBRAS PN caía 2%, contaminada pelo declínio dos preços do petróleo no exterior, onde o Brent registrava queda de 0,9%, a 74,77 dólares o barril. No setor, PETRORIO ON perdia 1,6%.

– ITAÚ UNIBANCO PN recuava 0,7% e BRADESCO PN perdia 1,85%, em meio ao ambiente ainda de incertezas no Brasil, enquanto BANCO INTER UNIT subia 1,6% após ajuste negativo na véspera.

– HYPERA ON cedia 4,2%, após acordo por meio do qual pagará 500 milhões de reais à Falcon para encerrar um processo de arbitragem envolvendo a venda do negócio de descartáveis em 2017.

– COSAN ON subia 1%, na quarta sessão seguida de valorização, com a alta na semana somando quase 9%. Analistas do BTG Pactual reiteraram a recomendação de “compra” para as ações e elevaram o preço-alvo para 39 reais.

– CIELO ON valorizava-se 2%, após atingir a mínima histórica de 2,35 reais mais cedo, ampliando a perda acumulada em setembro para mais de 15%

– LOG-IN ON, que não está no Ibovespa, disparava 37,8%, após proposta do grupo marítimo suíço MSC para adquirir o controle de até 67% da empresa de logística a 25 reais por ação. Na máxima, o papel chegou a 22,50 reais (+50,5%).

– CBA ON, que também na faz parte do Ibovespa, perdia 5,2%, após estimar impacto total da crise hídrica entre 150 milhões e 180 milhões de reais no Ebitda no segundo semestre.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH8F0RB-BASEIMAGE