Economia

Alimentos e combustíveis elevam preços de importados nos EUA em setembro

Reuters
Reuters
Alimentos e combustíveis elevam preços de importados nos EUA em setembro
Motorista em posto de combustíveis em Durham, Carolina do Norte, EUA

15 de outubro de 2021 - 10:21 - Atualizado em 15 de outubro de 2021 - 10:25

WASHINGTON (Reuters) – Os preços de importados nos Estados Unidos se recuperaram em setembro, impulsionados pelos custos mais altos de alimentos e energia, mas o núcleo da inflação de importados mostrou sinais de moderação.

Os preços de importados subiram 0,4% no mês passado, após queda de 0,3% em agosto, informou o Departamento do Trabalho nesta sexta-feira. Nos 12 meses até setembro, os preços subiram 9,2%, depois de avançarem 8,9% em agosto.

Economistas consultados pela Reuters projetavam que os preços de importados, que excluem tarifas, subiriam 0,6%.

O governo norte-americano informou nesta semana que os fortes preços de alimentos e aluguéis impulsionaram a inflação ao consumidor em setembro, enquanto os custos mais altos de energia mantiveram elevados os preços ao produtor. O preço do petróleo Brent chegou a disparar acima de 80 dólares o barril.

Os preços dos combustíveis importados saltaram 3,7% no mês passado, após queda de 3,0% em agosto. Os preços do petróleo avançaram 3,9%, enquanto o custo dos alimentos importados aumentou 1,3%.

Excluindo combustíveis e alimentos, os preços de importados caíram 0,1%. O chamado núcleo dos preços de importados recuou 0,1% em agosto e subiu 4,7% em setembro em comparação com o mesmo período no ano anterior.

O relatório também mostrou que os preços de exportados aumentaram 0,1% em setembro, após alta de 0,4% em agosto. Os preços de exportados agrícolas caíram 1,7%, enquanto os não agrícolas avançaram 0,3%. Os preços de exportados aumentaram 16,3% em setembro em relação ao ano anterior, após alta de 16,8% em agosto.

(Por Lucia Mutikani)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH9E0KP-BASEIMAGE