Cotidiano

Greve de ônibus em Curitiba: saiba como está a negociação com os trabalhadores

O salário de trabalhadores de três empresas do transporte público de Curitiba está atrasado; saiba se as linhas de ônibus podem ser impactadas

Daniela
Daniela Borsuk
Greve de ônibus em Curitiba: saiba como está a negociação com os trabalhadores
(Foto: Daniel Castellano / SMCS)

11 de maio de 2022 - 12:59 - Atualizado em 12 de maio de 2022 - 10:46

O indicativo de greve no transporte coletivo de Curitiba, anunciado pelos trabalhadores na última segunda-feira (9), permanece na manhã desta quarta-feira (11). De acordo com o Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Setransp), os pagamentos ainda não foram realizados e os consórcios aguardam a quitação dos repasses por parte da Urbanização de Curitiba (URBS) para regularizar a situação.

O Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Sindimoc) confirmou que, caso os salários dos trabalhadores das empresas CCD Transporte, Viação Tamandaré e Glória não sejam quitados até esta quinta-feira (12), a paralisação deve acontecer. Ainda, a assessoria do Sindimoc explicou que a greve deve ser geral, ou seja, mesmo que uma das empresas efetue o pagamento, todas as linhas do transporte coletivo da capital podem ser impactadas.

Em contato com a URBS, a empresa afirmou que aguarda o repasse de subsídio ao transporte coletivo por meio do convênio com o Governo do Estado e também a aprovação, pela Câmara Municipal de Curitiba (CMC), do projeto de suplementação orçamentária de R$ 174 milhões, “que será usado, em sua maior parte, para fazer frente ao déficit do sistema em 2022”.

A URBS também informou que a previsão é que o repasse do Governo do Estado seja feito ainda nesta quarta-feira e que o valor é suficiente para fazer os pagamentos pendentes aos funcionários neste mês. No entanto, com relação a proposta da Câmara, a assessoria confirmou que a votação não será realizada hoje devido a um pedido de vistas ao projeto por parte da vereadora Professora Josete.

Veja a nota na íntegra:

“A Urbanização de Curitiba (Urbs) aguarda a aprovação, pela Câmara Municipal de Curitiba (CMC), do projeto de suplementação orçamentária de R$ 174 milhões, que será usado, em sua maior parte, para fazer frente ao déficit do sistema em 2022. O município também aguarda o repasse de subsídio ao transporte coletivo por meio do convênio com o Governo do Estado, o que deve ocorrer até meados da semana. A Urbs reitera que tem feito esforços para acelerar os dois projetos e assim evitar atrasos nos repasses às empresas por conta do déficit financeiro no sistema. O transporte coletivo prevê um déficit de R$ 154 milhões em 2022, gerado pela diferença entre a tarifa técnica – que é a efetivamente paga às empresas – e a social, paga pelo usuário, de R$ 5,50. A diferença é coberta por subsídio do poder público. A tarifa técnica, em abril, foi de R$ 7. A empresa também ressalta que o transporte coletivo é um serviço essencial, vital para o deslocamento de milhares de pessoas todos os dias na capital e a redistribuição de linhas entre empresas em caso de greve é uma prerrogativa de contrato e também uma forma de preservar o usuário dos ônibus da capital.

O Governo do Estado, no entanto, não deu uma data específica para que o repasse seja feito, apenas informou que o pagamento obedece a um cronograma de tramitação e que a previsão é de que o aporte seja realizado nesta semana.

Confira a nota na íntegra:

“A exemplo dos últimos anos o Governo do Estado mantém convênio com o município de Curitiba, que prevê o aporte de recursos para a modicidade tarifária e que obedece a um cronograma de tramitação até sua aprovação e assinatura, prevista para ocorrer nesta semana. Portanto, o Governo do Estado vai cumprir com a data acordada entre as partes.”

O RIC Mais entrou em contato com as empresas CCD Transportes, Viação Tamandaré e Glória, mas não obteve retorno até o momento.

Atualização

O Governo do Paraná se manifestou novamente, na tarde desta quarta-feira, informando que o pagamento do aporte, cujo prazo encerraria apenas na sexta-feira (13), deve ser antecipado para esta quinta-feira (12) diante do indicativo de greve.

“O convênio foi assinado pelo Governo do Estado e Prefeitura de Curitiba na última sexta-feira com cronograma de pagamento até o quinto dia útil, que se encerra no próximo dia 13. No entanto diante do cenário de indicativo de greve no sistema urbano da capital o Governo pretende antecipar o pagamento para esta quinta-feira.”

Às 15h30, o Sindimoc informou que as empresas Viação Tamandaré e Glória pagaram 100% do salário. No entanto, a empresa CCD Transportes ainda não efetuou o pagamento até o momento. Se eles efetuarem o pagamento até o final do dia, não terá greve. Caso contrário, amanhã, às 4h, começa greve geral de todas as linhas de Curitiba que são geridas pela URBS”, afirmou o sindicato.