A certeza nem sempre está num único ponto de vista, seja nosso ou de alguém com quem estejamos debatendo. Precisamos nos colocar no lugar do próximo para ter a percepção dele em relação ao que estamos discutindo. No lugar do próximo, compreenderemos que o entendimento de cada um está vinculado às experiências, crenças, valores e, principalmente, aos sentimentos e emoções.

Nós mesmos poderemos ter outros pontos de vistas em outros momentos. Somos influenciados pelos acontecimentos diários e pelo turbilhão de informações que, muitas vezes, colocam uma cortina diante dos nossos olhos, impedindo que enxerguemos o óbvio. Por isso, que as principais habilidades que precisamos desenvolver são a paciência, a parcimônia e, fundamentalmente, a serenidade para olharmos o problema com calma.

Todos, estamos sujeito às conclusões e decisões erradas, é claro; mas, temos mais possibilidade de sermos assertivos, quando mantemos o equilíbrio entre a razão e a emoção. Basta prestarmos atenção, tomamos decisões erradas quando nos precipitamos, entrando na “pilha” de outras pessoas, seja em casa ou no trabalho. Autocontrole é fundamental para agirmos por nós mesmos, assumindo nossos riscos e não nos arriscando sendo influenciados por alguém.

Um exercício simples que nos ajuda muito a compreender a verdade, é associá-la a uma bola de vidro, que caiu, espedaçou-se, e cada um pegou um “caco” da verdade. Ninguém é dono da verdade absoluta, há outros pontos de vistas que precisamos respeitar sempre: – Não há fatos eternos, como não há verdades absolutas. – Friedrich Nietzsche

*As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam, necessariamente, a posição do portal RIC Mais.

Jorge Jubrail

Jorge Jubrail

Compartilhe essa opinião:

Opiniões do colunista