Enquanto estivermos sonhando, haverá esperança. Às vezes, nossos sonhos ficam guardados por muito tempo, pela correria do dia-a-dia e desestimulados pelo caos plantado em nossas mentes, engavetemos nossos planos, deixamos a ansiedade e o medo nos ancorarem no lugar e tempo que estamos, causando a sensação que todos os dias são iguais.

O tempo passa, mas nada muda, porque estamos presos no pensamento coletivo, que converge para o objetivo capitalista, acumular bens e poder, acabamos vivendo um consumismo frenético; sejamos conscientes, menos consumistas e mais “coração”. Quando conseguirmos o equilíbrio entre o dinheiro, o sagrado e a saúde, seremos pessoas mais saudáveis.

Não aceitemos expressões como: “sempre foi assim”, “nunca ninguém fez”, “todos fazem isso”, e tantas outras que são ditas para nos mantermos estagnados, dentro da “Matrix”, exaustivamente discorrida por Baudrillard, com base em Marx. Pensar e agir diferente trazem resultados diferentes, precisamos experimentar, sem medo, sem ansiedade, apenas fazer com plenitude e satisfação aquilo que sonhamos. Assim, poderemos considerar que ganhamos, no mínimo, experiência.

Do oceano se avista a ilha; da ilha, o oceano. Nem sempre onde nos encontramos permite enxergar além do horizonte. Estando no meio do caos, do pensamento comum, somos o caos, somos comuns. Pense e aja diferente, pense e aja de forma que se sinta livre e com prazer de viver: –  São todos maus descobridores, os que pensam que não há terra quando conseguem ver apenas o mar.Francis Bacon

Jorge Jubrail

Jorge Jubrail

Compartilhe essa opinião:

Opiniões do colunista