Todos temos a liberdade de nos manifestarmos em favor de uma causa, uma ideologia, de nos defendermos de qualquer tipo de assédio e opressão. O que não podemos é, quando livres, ocuparmos o lugar do opressor ou do assediador. Se em algum momento, ocupamos o lugar de quem fala, temos a experiência necessária para não cometermos os mesmos erros que cometeram conosco.

Atualmente, temos muitos canais para nos manifestarmos; as mídias sociais, principalmente, nos propicia o poder de amplificarmos nossa mensagem. Precisamos ter plena consciência e responsabilidade do que publicamos, seja qual for a causa, ainda que seja uma crítica ou manifestação contrária, não precisa ser uma comunicação violenta, não façamos com as pessoas o mesmo que fazem conosco e nos incomoda.

Mesmo sendo muito difícil controlar nossas emoções e reações, tentemos manter a serenidade e o juízo, para que não percamos a razão ao violentarmos o direito do próximo, seja com agressões verbais ou, até mesmo, físicas. Revide e vingança só alimentam as energias negativas e causam danos a nós mesmos, receberemos do Universo conforme nosso merecimento.

Lutemos por nossos direitos de uma forma saudável, que nos fundamentemos e nos preparemos para o debate, tenhamos certeza da causa que “abraçamos”. A argumentação é uma arma poderosa para manifestarmos nossa contrariedade,  o descontentamento e exigirmos nossos direitos. 

“Meu pai sempre dizia: – Não levante a sua voz, melhore os seus argumentos.” –  Desmond Tutu

Jorge Jubrail

Jorge Jubrail

Compartilhe essa opinião:

Opiniões do colunista