Independente da causa da luta, estejamos atentos durante as batalhas e após as conquistas, para que não sejamos tomados pelo sentimento de revolta e revanchismo. Acreditando sermos injustiçados e vítimas do sistema, não podemos agir como aqueles que controlavam a situação, quando estivermos livres e nos sentindo igualados nas condições de justiça, oportunidades e reconhecimento.

Se lutamos por igualdade e justiça, não podemos ter como objetivo tomar a “chibata” de quem nos castigou, para fazermos o mesmo;  no mínimo estaríamos nos igualando aos opressores que tanto criticamos e combatemos, a liberdade precisa ser o propósito. Vale lembrar que é muito importante fortalecer a fraternidade e praticar a solidariedade, não há outra maneira de evoluirmos.

Seja qual for a bandeira que estejamos levantando, há maneiras inteligentes de enfrentar o sistema,  quebrar paradigmas e mostrar que todos podemos e precisamos conviver de forma pacífica entre pares e contrários. A humanidade só evolui quando o bom senso reina, permitindo as pessoas serem a favor, contra ou neutras; tudo é uma questão de respeito à opinião alheia, portanto, precisamos respeitar e cobrar respeito por nossas opiniões.

O planeta precisa ser alimentado por boas vibrações e, também, necessita muito que quebremos alguns elos com o passado obscuro da história humana, removendo todos os preconceitos e estigmas que herdamos, muitas vezes, criados para atender as necessidades da sociedade da época, principalmente da aristocracia, do clero e da nobreza.  

“Olho por olho, e o mundo acabará cego.”Mahatma Gandhi

Jorge Jubrail

Jorge Jubrail

Compartilhe essa opinião:

Opiniões do colunista