Façamos nosso melhor em qualquer circunstância, é muito prazeroso atingir as metas e objetivos, sejam eles pessoais ou profissionais, a satisfação será a mesma por ter concluído com sucesso, etapa por etapa. Quando isso acontece, é sinal que testamos a fundo e aprimoramos nossa paciência, determinação, disciplina, perseverança e resiliência.

Quando concluímos algo com êxito, a gratidão importa mais ao elogio; enquanto a gratidão está ligada à satisfação pessoal ou alheia, o elogio está ligado à vaidade, vício perigoso, que corrompe a alma. Também, é melhor darmos mais ouvido às criticas, desde que percebamos serem construtivas, aos elogios, para que possamos ajustar os passos imperfeitos rumo aos objetivos.

Nos relacionamentos familiares e profissionais, procuremos estimular em público e nos lembrar sempre que não precisamos de plateia para censurar ou criticar. Façamos às pessoas, apenas o que gostaríamos que fizessem conosco, mas, quando for necessária  uma reprimenda, não a tornemos mais dolorosas que já é, que seja breve e de forma sútil.

Cuidado com as pessoas que só sabem elogiar, ou são tolas ou são falsas; por fim, lembremos que, quando alguém nos pede um conselho ou crítica, muitas vezes pode estar querendo um elogio, mas, sejamos sinceros e transparentes, para que sejam, também, conosco.

“Prefiro os que me criticam, porque me corrigem, aos que me elogiam, porque me corrompem.”Santo Agostinho

Jorge Jubrail

Jorge Jubrail

Compartilhe essa opinião:

Opiniões do colunista