Demoramos muito para enxergar as mudanças necessárias para evoluirmos, que a vida é uma transformação contínua. Ficamos andando em círculos, mergulhados na rotina dos afazeres diários, dentro da egrégora  que formamos com as pessoas que convivemos, nos diversos ambientes que frequentamos diariamente.

A egrégora é a somatória das energias mentais e emocionais de duas ou mais pessoas em sintonia, que facilitam a convergência para objetivos comuns. Em alguns momentos, para nos transformamos, será necessário mergulharmos no nosso íntimo, nos desligando da egrégora e  nos religando com a nossa centelha divina, a Origem, em busca de  respostas para as aflições.

Quando encontramos as respostas, pode ser que seja necessário desapegarmos do modo de vida que estamos levando, de certos convívios e relacionamentos, para que possamos buscar novos ares, novas energias. Talvez, seja o momento mais difícil de nossas vidas; de repente, precisaremos timonar por outros mares, assusta, mas também, atrai.

Durante nossa jornada na Terra, conheceremos muitas pessoas e lugares, mas, cada um tem sua própria missão, um plano traçado a cumprir sozinhos ou acompanhados, é indiferente, desde que entendamos e nos esforcemos para fazê-lo da melhor forma possível, sem prejudicar ninguém e estendendo as mãos aos necessitados.

 “Se quer ir rápido, vá sozinho. Se quer ir longe, vá em grupo.”Provérbio Africano

Jorge Jubrail

Jorge Jubrail

Compartilhe essa opinião:

Opiniões do colunista