FOTO: Pixabay

“Travamos uma luta diária, no ringue de nossas mentes estão o ego e a consciência. Para o nosso bem, que vença a consciência para que possamos entender quem realmente somos,. Assim, o desejo de se importante deixará espaço para o desejo de fazer o que realmente importa, o bem.”

Sabe por que sentimos vontade de sermos importante o tempo todo? Porque o nosso ego está no comando de nossas ações. Quando entendermos nossa verdadeira existência, o que somos na realidade, quem estará no comando será a consciência, que inibirá essa ânsia demasiada do ego em querer ser importante o tempo todo.

Precisamos nos conhecer, fazendo uma análise aprofundada do nosso eu interior, do que realmente somos. A melhor forma de viajarmos no nosso interior, é silenciando a mente, meditando e refletindo sobre nossas ações e reações, separando as negativas das positivas, as que causaram mal para alguém ou a nós mesmos, das que causaram o bem.

Depois de refletir e conhecermos quem realmente somos, oremos, agradecendo, pedindo perdão e perdoando. Porém, vale ressaltar que se após isso não formos capazes de seguir convivendo com nossos semelhantes em harmonia, significa que não teremos evoluído nada. Lembremos sempre que tão importante quanto agir dentro dos ditames do bem, precisamos reagir também dentro destes ditames, ainda que ação que tenhamos sofrido tenha nos causado algum tipo de mágoa ou ressentimento.

Convivemos diariamente com inúmeras pessoas, não podemos escolher o que ouvir delas, porém, nosso livre arbítrio permitirá escolher com o que se importar e como reagir aos que ouvimos; o resultado das reações seremos nós, bons ou maus. Desprovidos do ego, sendo reais, teremos melhor condição de filtrar e reagir da forma mais adequada possível, dentro dos princípios da fraternidade que precisamos praticar.

Jorge Jubrail

Jorge Jubrail

Compartilhe essa opinião:

Opiniões do colunista