FOTO: Pixabay

“Se nosso pensamento principal é agradar as pessoas; se estamos preocupados com o que as pessoas pensam sobre nós, chegou a hora de repensarmos nossas vidas. Não estamos aqui para agradar todo mundo, precisamos nos agradar com o que fazemos e, claro, não prejudicar ou fazer ninguém trampolim para nossas conquistas.”

Se por um caso, pairar no ar a dúvida se gostarão de nós, é porque nossa autoestima e autoconfiança estão baixas. Ideal que pensemos que está tudo bem se não gostarem, afinal, não estamos aqui para agradar todas as pessoas, mas, para vivermos tranquilos com nossas consciências, sempre dentro dos preceitos morais, da retidão de caráter, praticando a fraternidade e a solidariedade.

Não vamos desistir jamais de semear o bem, seja a quem for e, mesmo que esse alguém não aceite, não paremos, continuemos a semeadura que nós mesmos comeremos os frutos. Faz parte da salvação a prática da fraternidade e da solidariedade, fazendo a nossa parte, transformaremos o mundo, ao nos lapidarmos diariamente.

Sejamos otimistas e confiantes sempre; há uma diferença entre ser um ou outro, somos otimistas quando esperamos que o melhor aconteça e somos confiantes quando sabemos encarar o que de pior nos acontece. Precisamos estar preparados para enfrentar as adversidades da vida, e quando não for possível ser otimista ou confiante, tenhamos fé e esperança.

Uma boa dica para caminharmos rumo aos nossos objetivos é deixar de pensar e energizar o que não gostamos, para promovermos o que gostamos, literalmente mudar a “chavinha” do negativismo para o positivismo ou, do pessimismo para o otimismo. Por fim, se as coisas não estiverem mudando, é porque não mudarão, nós é que precisamos nos transformar. Às vezes, não é o caminho que está errado, mas, o modo como caminhamos.

Jorge Jubrail

Jorge Jubrail

Compartilhe essa opinião:

Opiniões do colunista