Eu procrastino, tu procrastinas, eles procrastinam, nós procrastinamos e tudo continua como está. Se não dermos o primeiro passo para nos transformarmos, não haverá mudanças no mundo. Nós precisamos ser as mudanças que queremos ver no planeta, afinal, nossos pensamentos e ações reverberam no Universo.

Buscando a transformação pessoal, antes de qualquer ação ou reação, precisaremos aprender a lidar com o que é nosso. Tudo que está em nossos corpos e mentes, nos pertence, ainda que envolva outras pessoas, nos compete lidar com a situação da melhor forma possível e transformá-la em energia positiva para o mundo.

 Mudar pensamentos e atitudes, movidos por entusiasmo é o começo, mas, precisamos encontrar estímulos para nos motivarmos e continuarmos a transformação; o entusiasmo é passageiro e cessa rápido, motivação é inerente ao indivíduo e precisa ser estimulada, seja por nós ou por alguém.

Ao fazermos algo bom para o mundo, que estejamos cientes que a autoestima não se alimenta de aplausos, é exatamente o oposto, autoestima é quando realizamos algo bom sem esperar pelos aplausos. Façamos as coisas porque intencionamos nos transformar e mudar o mundo com atos fraternos e solidários, simples assim.

Quando é o tempo da transformação? Difícil afirmar, cada um tem o seu, conforme os conhecimentos e experiências. Só sei que nunca é tarde, uma hora precisaremos parar de procrastinar. O roqueiro Raul Seixas, numa de suas canções, dizia que não devemos ficar sentados, com a boca cheia de dentes, esperando a morte chegar.  

Concordo com o Raul, mas, não devemos ter muita pressa, apenas rumo; melhor demorar a se perder pelo caminho. Lembremos sempre que, mais vale um caminhante a passos lentos e calculados, que um viajante a passos largos ao esmo.

Jorge Jubrail

Jorge Jubrail

Compartilhe essa opinião:

Opiniões do colunista