Pare, respire e reflita: se existisse uma borracha mágica que permitisse apagar todas as fronteiras territoriais, todas as cores de pele, todo o dinheiro, toda a história das artes e culturas locais e, também, todas as religiões, como seria o mundo?

Pensou? Refletiu? Muito bom! Saiba que não precisamos de uma borracha mágica, todas as fronteiras, barreiras, limitações e formas de controle estão na nossa mente e, para nos livrarmos delas, precisamos praticar o princípio básico da igualdade, o respeito mútuo, a solidariedade e a fraternidade. Somos todos iguais aos olhos do Pai Maior, independente de nacionalidade, raça, classe social, religião, gênero, etc.

Temos uma missão na Terra que todos, sem exceção, precisaremos cumpri-la, cedo ou tarde, e cada um é responsável por descobrir a sua, que vai muito além de apenas vencer a concorrência pela sobrevivência e muito além das conquistas materiais ou efêmeras.

Uma coisa é certa, nossa missão não tem como principal objetivo o acúmulo de bens e poder, nem está ligada apenas às crenças, mas, à nossa conduta, que precisa passar pelo livre arbítrio e coisas da alma. Só com o desabrochar da consciência conseguiremos nos conectar com o Universo e as coisas da alma, conquistando assim um “degrauzinho” evolutivo por vez, agindo e reagindo cada vez mais de forma justa e perfeita.

Se tivermos que promover uma revolução, que seja a nossa própria. A sociedade só muda partindo da transformação individual de milhões de cidadãos conscientes. Na história da humanidade, não se tem notícia do contrário, uma sociedade que tenha mudado os indivíduos.

Jorge Jubrail

Jorge Jubrail

Compartilhe essa opinião:

Opiniões do colunista