A inovação sempre foi uma característica de Curitiba. De nossa cidade saíram muitas ideias, projetos e programas que acabaram virando exemplo para o País e para o mundo e deram a marca inovadora à capital paranaense.

Houve períodos de efervescência criativa, outros de discrição, mas a inovação sempre esteve a nossa porta. Esta tradição foi resgatada e voltou com muita força, resultando num movimento sólido e espontâneo.

Vemos hoje Curitiba inundada de ações, públicas e privadas, de inovação, tecnologia, smart city, mobilidade elétrica, startups, economia criativa e empreendedorismo, enfim, uma cultura inovadora que cresce a cada dia.

A grande diferença é que hoje isso tudo ganhou um nome, Vale do Pinhão. Muitas pessoas, até de fora do Paraná, vêm à sede da Agência Curitiba de Desenvolvimento e Inovação perguntado se lá é o Vale do Pinhão, ou onde é o Vale.

O mais interessante desse cenário é que o Vale do Pinhão não tem uma sede, não é um programa, não pertence à Prefeitura. Ele surgiu de uma ideia do prefeito Rafael Greca, há alguns anos, de oferecer à cidade um nome para o movimento que recupera a tradição inovadora de Curitiba, algo que simbolizasse esse ecossistema de inovação que vinha ressurgindo com muita força.

A recepção a essa ideia foi total. Prefeitura, empresas, universidades, instituições públicas e privadas, grupos e comunicação, coworkings e diversas personalidades abraçaram o Vale do Pinhão e deram sustentação a ele. E talvez essa seja a grande força do Vale, ele se fortaleceu a partir da adesão espontânea da comunidade, que se enxergou dentro dessa proposta.

E é com muita satisfação que dizemos a quem nos procura na Agência Curitiba que eles mesmos são Vale do Pinhão, se estão inovando, estão compartilhando ideias, estão conectados, eles são Vale do Pinhão, uma onda que se espalha por toda Curitiba.

Na Agência, atendendo a uma demanda que surgiu do ecossistema, procuramos executar ações de sustentação ao Vale, baseados em pilares que vieram de debates com a comunidade de inovação, como legislação e incentivo; articulação e integração; tecnologia; educação empreendedora; e reurbanização e sustentabilidade.

Focamos nossas ações nesses pilares, que são a base para que a inovação aconteça de forma sustentável e contínua. Nesse período recente, por exemplo, foi aprovada na Câmara Municipal de Curitiba a Lei de Inovação. E já tramita para avaliação dos vereadores o Fundo de Inovação de Curitiba.

Também temos trabalhado junto ao ecossistema para a articulação e a conexão de todos os envolvidos com a inovação. Disso surgiu o decreto de regulamentação de antenas de telecomunicação, preparando a cidade para a tecnologia 5G.

Também promovemos encontros e eventos para troca de conhecimento, capacitação, debates e compartilhamento de ideias, pois a inovação só traz benefícios reais à cidade e à população quando é compartilhada.

Os resultados dessa sinergia, desse movimento em prol da inovação, são evidentes e indiscutíveis, com Curitiba entre as cidades mais inteligentes e inovadoras do Brasil e com uma participação assídua das pessoas na construção da cidade das ideias, do nosso Vale do Pinhão.

Notícias relacionadas

Cris Alessi

Cris Alessi

Compartilhe essa opinião:

Opiniões do colunista