Na mitologia, os unicórnios estão associados a pureza e força, são capazes de transformar coisas em substâncias brilhantes, cheias de luz e vida. Até pouco tempo, o unicórnio estava na moda como personagem de desenho infantil. Mais recentemente, tornou-se o símbolo das startups que atingem a avaliação de 1 bilhão de dólares.

Nesta semana, veio uma das notícias mais esperadas no ecossistema de inovação do Vale do Pinhão: a Ebanx, startup criada em Curitiba em 2012, é o primeiro unicórnio da cidade. É uma notícia para muita comemoração e um bilhão de aplausos. Pra se ter ideia do tamanho do feito, é o primeiro unicórnio em toda a região Sul e apenas o nono do Brasil. 

A Ebanx virou unicórnio ao receber um aporte liderado pelo FTV Capital, fundo americano de investimentos da região do Vale do Silício. Mas sua história começou com a ousadia e competência de três jovens em Curitiba há sete anos, quando Alphonse Voigt, João del Valle e Wagner Ruiz resolveram montar um negócio ao perceber a oportunidade na área de pagamentos internacionais. Hoje, a Ebanx é responsável pelo pagamento no Brasil de multinacionais como Airbnb, Spotify e Aliexpress. Com previsão de faturar US$ 150 milhões em 2019, um crescimento de 50% com relação ao ano passado, a empresa vai agora acelerar seu crescimento, aumentar o time e expandir pela América Latina. Estão com 600 empregados e logo terão 800.

O sucesso da Ebanx é percebido no Vale do Pinhão há algum tempo e a transformação em unicórnio já era aguardada. Mas a comemoração é efusiva por dois motivos ainda mais especiais. O trio fundador da Ebanx e os outros profissionais da equipe são pessoas atuantes no ecossistema, sempre dispostos a colaborar. Fazem palestras, recebem visitas na empresa, buscam estar com agenda e portas abertas para contribuir no avanço de toda a comunidade. Por isso é uma conquista celebrada com euforia e carinho no Vale do Pinhão.

O segundo motivo é que a Ebanx é só o começo. Há outras startups de Curitiba que estão voando alto, conquistando seu espaço e mostrando a cara ao mundo. Pipefy, MadeiraMadeira e Contabilizei também receberam aportes significativos neste ano, de fundos internacionais. Não tenho dúvidas que logo teremos outros unicórnios no Vale do Pinhão.

Pra finalizar, uma frase do Alphonse que saiu na mídia sobre o orgulho de ser um exemplo para as startups de Curitiba: “Não ser do eixo Rio/São Paulo nos torna um pouco diferentes. É muito legal, mas também é uma responsabilidade grande de puxar a fila”. 

Podem puxar a fila, Alphonse, João, Wagner e todo o time Ebanx, que a gente vai junto com orgulho.

Cris Alessi

Cris Alessi

Compartilhe essa opinião:

Opiniões do colunista