Curitiba acaba de ganhar uma ferramenta fundamental para o apoio ao desenvolvimento de startups e empreendedores de impacto social, tecnologia e cidades inteligentes. O prefeito Rafael Greca criou o Fundo de Inovação Vale do Pinhão, destinando R$ 10 milhões da Prefeitura para projetos de inovação e pesquisa científica e tecnológica na capital.

Para empresas que estão ainda começando, inclusive desenvolvendo MVP (produto mínimo viável), como startups que já têm um produto validado, o apoio financeiro é essencial para que possam ter escala. Acontece que há inúmeras dificuldades para que este apoio venha de investidores privados ou de investidores anjos. O apoio de fontes oficiais é instrumento comum em diversos países em que houve avanço acelerado do universo de startups e projetos de inovação.

Dessa forma, a iniciativa de Curitiba é um exemplo a ser seguido em todas as cidades brasileiras que realmente querem dar prioridade à inovação. Como disse Greca, “a inovação só vale quando se transforma em processo social e o fundo nasce para que mais empreendedores desenvolvam tecnologias que melhorem o dia-a-dia dos cidadãos.”

O exemplo de Curitiba também foi possível porque nos últimos anos o movimento Vale do Pinhão uniu o poder público, universidades, aceleradoras, centros de pesquisa e desenvolvimento, startups, movimentos culturais e a sociedade, criando um ambiente favorável para que um projeto de lei dessa magnitude orçamentária fosse enviado à Câmara Municipal. Esse respaldo do ecossistema de inovação da cidade deu confiança aos vereadores, que aprovaram o fundo por unanimidade.  

O Inova VP será administrado pela Agência Curitiba de Desenvolvimento e Inovação, que nos próximos meses irá criar um Comitê de Investimentos para deliberar sobre a aplicação dos recursos do fundo e definir uma instituição financeira pública para gerir os recursos.

É um processo de regulamentação obrigatório e que irá garantir total transparência do Inova VP. Por isso, os primeiros editais de chamamento deverão estar disponíveis para startups e empreendedores no início do próximo ano.

O fundo deverá atrair mais negócios e fomentar o ecossistema de startups da cidade, funcionando como fonte de recursos, garantias e subvenções a projetos inovadores e disruptivos. É garantia de novas ideias, projetos, empresas, inovação e, principalmente, mais empregos.

Cris Alessi

Cris Alessi

Compartilhe essa opinião:

Opiniões do colunista