Cada vez que fala de sua startup, Maxon Prestes tem que segurar as lágrimas

Ele criou o BJJ Progress, uma plataforma para integrar a comunidade do jiu-jítsu. Maxon é negro, órfão, morou nas ruas e quase sucumbiu a uma depressão profunda em 2011. A arte marcial salvou sua vida.

Ele canalizou todas as energias para o esporte. Virou professor e logo começou a “devolver”. Montou um projeto social na Região Metropolitana de Curitiba onde dá aulas a crianças e jovens carentes.

Há pouco tempo, junto com alguns sócios, idealizou a startup. O negócio vai indo bem, Maxon já é figura conhecida nas batalhas de startups da cidade. E ele já venceu algumas e perdeu outras, talvez até porque às vezes se emociona e fala mais do projeto social do que do aplicativo, que será lançado na semana que vem.

BJJ Progress

O BJJ Progress vai combinar várias funções, como rede social por chats e grupos, geolocalização de academias, carteirinha digital de entidades esportivas e um ecommerce de quimonos, faixas, shorts, camisetas e acessórios.

Dessa forma, assim como o jiu-jítsu abriu as portas para Maxon, o Worktiba, coworking da Prefeitura de Curitiba, está abrindo portas para a BJJ. Ele já conseguiu R$ 350 mil de investimento e continua entusiasmado com o projeto. Seu objetivo é ser a maior plataforma de jiu-jítsu do mundo. Para quem duvida, lembre-se que a plataforma de academias Gympass foi criada no Brasil e já virou unicórnio.

Os coworkings, públicos ou privados, são pontos muito importantes no ecossistema de inovação e economia criativa

Há vários deles em Curitiba, como Aldeia, CRIA, Distrito, entre outros. Mais do que uma sede provisória para uma startup, o coworking é um ponto de conexão, um espaço com rotina de inovação. São várias pessoas, diferentes projetos, uma troca riquíssima de ideias, mentoria, conhecimento e novas parcerias que surgem.

A Agência Curitiba de Desenvolvimento e Inovação, em parceria com o IMAP, gerencia os Worktibas, os primeiros coworkings públicos do Brasil. Eles estão no Parque Barigui e no Cine Passeio, no Centro da cidade. Em breve, mais uma unidade funcionará no Boqueirão. Dezenas de startups já passaram pelos espaços, que podem ser ocupados por até dez meses.

Sartups Curitibanas

A startup curitibana Prevention Vision Test, com seu Adam Robô, foi finalista de um dos maiores prêmios de inovação e empreendedorismo da América Latina, o Imagine Cup, promovido pela Microsoft.

A startup ficou dez meses no Worktiba do Parque Barigui até triplicar de tamanho devido ao sucesso do seu robô de pré-teste visual, que identifica possíveis problemas de visão.

Outra atual ocupante, a HA Tecno, que desenvolve um scanner biométrico capaz de detectar fraudes em impressões digitais, conseguiu ano passado investimento de R$ 1,2 milhão.

E a melhor notícia é que os Worktibas estão com novas vagas

O edital de participação está aberto até o dia 31 de janeiro e acolherá até 110 novas startups ou projetos. Mais informações no site www.agenciacuritiba.com.br.

Cris Alessi

Cris Alessi

Compartilhe essa opinião:

Opiniões do colunista