Imagens de famílias felizes

A felicidade das famílias alheias se mostra em imagens de pessoas felizes, sorridentes, bem vestidas, em torno de boas comidas e em lugares exuberantes. Em tempos de festas de fim de ano é muito comum as famílias empreenderem esforços para se encontrarem e simbolicamente restabelecerem algum sentido de serem uma família. Os muitos cliques que registram as imagens de famílias felizes reunidas, podem passar a ideia de que a felicidade está nas famílias alheias, repletas de harmonia e prosperidade. Ao mesmo tempo, podem dar a impressão de que apenas na própria família é que não se vive a tal felicidade. Dessa forma, a felicidade das famílias alheias pode acionar desencantos com a própria família.

A desqualificação da própria família

Nessa perspectiva, a felicidade aparente percebida nas famílias dos outros, pode levar pessoas a desqualificarem a sua própria família, em comparativos com suas lacunas e em exacerbações dos defeitos dos membros familiares.

MUITAS PESSOAS PERCEBEM SUAS FAMÍLIAS COM EXTREMA NEGATIVIDADE E AS FAMÍLIAS DOS OUTROS COMO PALCO DE ABUNDANTE FELICIDADE.

Há muita ilusão nisso, pois um retrato é apenas um retrato e jamais irá revelar os bastidores da convivência em família.

Famílias perfeitas não existem

Por detrás das belas fotos não há famílias perfeitas. No entanto, nem sempre é essa a percepção, pois a impressão que impera é a de que as outras famílias experimentam a felicidade e que a própria família é um mar de fel constante. Mas, a  realidade é que, vez ou outra, o fel pode estar presente em qualquer família, mas da mesma forma também o sorriso e a harmonização. Famílias do tipo “comercial de margarina” não existem. O fato é que em todas as famílias há crises, em maior ou menor grau. Uma família é funcional não pela ausência de crises, mas pela forma como as enfrenta e resolve. Mesmo as famílias protagonistas de belas fotos experimentam os desafios da convivência.

O aprendizado traz esperança

No entanto, a realidade da imperfeição familiar não deve nos desesperançar. A boa notícia é que a vida familiar compõe um solo de férteis aprendizados que nos habilitarão ao amor, respeito, solidariedade, compaixão, diálogo, perdão e ao abraço. Dessa forma, a família real, mesmo na impossibilidade de se tornar a família ideal, será o nosso lugar de pertencimento. E a felicidade? Não será mais privilégio apenas das famílias alheias. Nem tão pouco buscada numa idealização de harmonização plena e alegria constante, mas numa aceitação da humanidade uns dos outros, também no contexto de nossas famílias.

Clarice Ebert

Clarice Ebert

Compartilhe essa opinião:

Opiniões do colunista