Cinema

Caça-Fantasmas: Chris Hemsworth fala sobre sua personagem, Kevin

TOMMO
TOMMO
Caça-Fantasmas: Chris Hemsworth fala sobre sua personagem, Kevin

10 de julho de 2016 - 20:00 - Atualizado em 10 de julho de 2016 - 20:00

Claro que uma vez que as Caça-Fantasmas abrem o seu empreendimento, elas precisam de uma ajuda. E elas não poderiam pedir uma ajuda melhor do que a de um recepcionista tapado e atraente.

KEVIN pode não ser a pessoa mais sensata do mundo, mas ele tem boa índole, é doce e quando o bicho pegar, no fundo, ele é outro Caça-Fantasmas – outro desajustado que encontra o seu lugar.

Para o papel, Feig explorou o espantoso talento cômico de Chris Hemsworth. E embora suas coprotagonistas sejam profissionais da comédia, elas ficaram impressionadas com a sua habilidade. “Ele é um dos melhores improvisadores com quem já trabalhei”, diz Melissa McCarthy. “Isso me surpreendeu muito, porque fizemos tomadas de 18 minutos durante a cena da entrevista, e ele nunca se desconcentrava. Ele estava dizendo algumas das coisas mais estranhas, totalmente no personagem. Tivemos que fazer uma pausa de quatro minutos, enquanto Kristen e eu tentávamos parar de chorar de rir. Ele até começou a cantar uma vez, e eu pedi a ele para parar… Eu acho que ele é simplesmente biônico”.

“Kevin interpreta um cara que é como um cachorrinho tapado”, diz Hemsworth acerca do seu personagem. “Ele é cheio de entusiasmo e ambição, mas é completamente ingênuo e enxerga o mundo de um ângulo muito, muito diferente do que todos os outros. É divertido interpretar alguém que é totalmente sem noção”.

“Fizemos do Kevin um tipo de idiota adorável que é aceito pela sua aparência, mas que quer, sinceramente, fazer parte do grupo”, explica Feig. “Ele leva um tempo para entender as coisas – Kevin tem um raciocínio um pouco lento – mas depois que ele entende, está entendido. Chris o transformou em um personagem tridimensional hilário”.

E o quão ignorante o Kevin é? Veja os seus óculos. “Desde o início, eu queria usar óculos, e o Paul tinha concordado com isso. Mas o problema é que as lentes ficavam refletindo as luzes, por isso, tiramos as lentes, como se ninguém fosse notar. E, aí, no meio de uma cena, comecei a coçar meu olho, e a Melissa começou a rir e disse: ‘Você tem que fazer isso de novo – e eu vou tentar não rir’. E quanto mais a gente pensava nisso, mais achávamos que era perfeito – ‘as lentes viviam se sujando, então, ele as retirou’. É uma boa resposta, é prático, mas só se você enxergar o mundo de um ângulo diferente de todas as outras pessoas. Ele é bastante singular”.