Animais

VÍDEO: Porco nasce com duas cabeças no interior do Paraná

O nascimento foi registrado em uma chácara de Leópolis, município do norte do estado

Ana Clara
Ana Clara Marçal / Estagiária com supervisão da repórter Bruna Melo
VÍDEO: Porco nasce com duas cabeças no interior do Paraná
O leitãozinho foi o único de sua ninhada a nascer com a anomalia. Foto: Reprodução/Lenice Matias Ubaldino

24 de agosto de 2021 - 18:32 - Atualizado em 24 de agosto de 2021 - 18:52

Na tarde desta terça-feira (24), uma moradora de Leópolis, município do norte pioneiro do Paraná, levou um susto ao conferir os filhotes recém-nascidos de sua porca. Um dos animais nasceu com duas cabeças. Lenice Matias Ubaldino tem 59 anos e diz nunca ter visto algo parecido.

Depois que soube dos nascimentos, Lenice foi até a baia para ver os animais. Ela percebeu que um dos filhotes estava afastado dos outros, longe dos irmãos. Com cuidado, ela segurou o bichinho e viu um inchaço na cabeça dele. Olhando mais de perto, notou que estava diante de um caso raro. O leitãozinho foi o único da ninhada a nascer com duas cabeças. Confira no vídeo:

Lenice e o filho tentaram contato com um veterinário da região. Entretanto, até o fechamento desta matéria, o profissional não havia ido até o endereço. A família mora em um local repleto de animais, como galinhas, carneiros e cachorros.

O que causa esta anomalia?

Para entender melhor a anomalia, o Dr. Rafael Humberto de Carvalho, professor de Suinocultura e Avicultura na Universidade Estadual de Londrina e na Unifil, explica que a principal causa é de origem genética. Entretanto, é necessário realizar exames no animal para entendimento do funcionamento dos órgãos e saber como estão ligados.

“O problema teratológico desenvolvido acontece por inúmeros fatores durante a fecundação e gestação da matriz suína. Nesses fatores podemos incluir consanguinidade genética entre os pais (pai e mãe da mesma família), fármacos, fatores ambientais entre o outros. No caso de dois leitões juntos, apenas unidos pelo tecido tegumentar, a anomalia provavelmente é associada a alterações cromossômicas pós fecundação. Já no caso de apenas duas cabeças e corpo único, a causa pode ser ambiental e desenvolvida no terço inicial de gestação da porca“,

Dr. Rafael Humberto de Carvalho detalha.

O especialista elucida que, nesses casos, as chances de sobrevivência são baixas. Tendo um corpo com duas cabeças, dificilmente o leitão sobreviverá devido ao mal funcionamento do organismo. Em uma situação em que dois corpos estão interligados, assim como “gêmeos siameses”, seria necessário um procedimento cirúrgico para separação, algo que também é difícil de ser realizado.