Agronegócio

Ministra diz ser impossível Brasil receber fertilizantes da Rússia durante guerra

A ministra voltou a comentar sobre o plano nacional de fertilizantes a ser lançado no fim deste mês; Bolsonaro defende exploração do mineral em terras indígenas

Reuters
Reuters
Ministra diz ser impossível Brasil receber fertilizantes da Rússia durante guerra
Ministra da Agricultura, Tereza Cristina, classificou reconhecimento de áreas livres de aftosa sem vacinação como "um marco" para a pecuária

3 de março de 2022 - 20:42 - Atualizado em 3 de março de 2022 - 22:13

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) – A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afastou completamente nesta quinta-feira (02) qualquer possibilidade o Brasil receber fertilizantes de Rússia e Belarus, dois grandes exportadores para o país, enquanto durar a guerra provocada pela invasão russa à Ucrânia.

Segundo ela, não há condições viáveis para o pagamento e o transporte dos produtos mediante as diversas sanções impostas à Rússia e a Belarus pela invasão militar. O Brasil, que importa cerca de 85% do seu consumo de fertilizantes, sofre maior dependência do potássio, de acordo com a ministra.

“O que nós temos no momento é uma suspensão deste comércio porque nós não temos como pagar esses produtos e também nós não temos navios, nem seguro para esses navios para poder carregar esses fertilizantes do mar Báltico e Negro”, explicou a ministra, que participou da live semanal do presidente Jair Bolsonaro nas redes sociais.

“Eles não fizeram a suspensão (do fornecimento), é o problema da guerra. Então, enquanto ela estiver acontecendo… é totalmente descartada a possibilidade de a gente receber fertilizantes daqueles dois países, tanto da Bielorrúsia (Belarus) quanto da Rússia”, afirmou.

A ministra voltou a comentar sobre o plano nacional de fertilizantes a ser lançado no fim deste mês e disse esperar, com isso, atrair investimentos para o setor. Lembrou, ainda, que a questão dos fertilizantes deve impactar nos preços de alimentos no Brasil e no mundo.

Bolsonaro fez menção na live a projeto de lei em tramitação no Congresso que permite a exploração mineral em reservas indígenas e voltou a citar como exemplo a Foz do Rio Madeira. O presidente defende a aprovação da proposta usando o argumento de que há risco de desabastecimento de fertilizantes no Brasil por conta do conflito entre Rússia e Ucrânia.

“Problema com fertilizantes não é só a Rússia, mas impacto em preços”, afirmou, acrescentando que o país não precisaria importar esses insumos se tivesse enfrentando essa questão anteriormente.

“Um país que é dependente pode sofrer sérias consquências”, afirmou.

Segundo a ministra da Agricultura, o Brasil tem estoques de fertilizantes até outubro, época em que se intensifica o plantio da safra de grãos de verão, o maior do país.

O país importa cerca de 85% do seu consumo de fertilizantes, incluindo potássio, que enfrenta um “gargalo” maior em função do conflito e de sanções ocidentais a Belarus, importante produtor. No caso dos potássicos, as compras externas do país somam 96% do consumo.