Agronegócio

Milho avança em Chicago com dados de exportação dos EUA; soja e trigo também sobem

Reuters
Reuters
Milho avança em Chicago com dados de exportação dos EUA; soja e trigo também sobem
Trabalhador inspeciona grãos de soja em fazenda na cidade de Campos Lindos, TO

18 de outubro de 2021 - 20:41 - Atualizado em 18 de outubro de 2021 - 20:45

Por Julie Ingwersen

CHICAGO (Reuters) – Os contratos futuros do milho nos Estados Unidos encerraram em alta nesta segunda-feira, com os traders se concentrando em dados de inspeções de exportações semanais dos EUA mais fortes do que o esperado e também com receios de que o aumento dos preços dos fertilizantes poderia limitar as plantações de milho no próximo ano.

Os futuros da soja também subiram, impulsionados pela força nos mercados globais de óleo de soja e óleo vegetal. Os futuros de trigo seguiram a tendência firme.

Na bolsa de Chicago, os futuros do milho fecharam em alta de 7 centavos de dólar a 5,3275 dólares por bushel.

A soja para novembro fechou em alta de 3,75 centavos de dólar a 12,2150 dólares o bushel e o trigo para dezembro encerrou em alta de 2,25 centavos de dólar a 7,3625 dólares o bushel.

O milho registrou os maiores ganhos em termos percentuais, já que os traders estão preocupados com os altos custos dos fertilizantes.

“Os preços do milho encontram suporte com a queda na produtividade e receios de que a área plantada caia globalmente devido aos altos custos dos insumos em 2022”, escreveu Arlan Suderman, economista-chefe de commodities da StoneX, em nota ao cliente.

O mercado encontrou apoio adicional uma vez que o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA, na sigla em inglês) relatou inspeções de exportação de milho dos EUA na última semana em 976.218 toneladas, acima de uma variedade de estimativas de comércio e a maior contagem semanal desde o início de agosto. As inspeções da soja também superaram as expectativas comerciais em quase 2,3 milhões de toneladas. [USDA/I]

(Reportagem adicional de Michael Hogan em Hamburgo e Colin Packham em Camberra)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH9H18E-BASEIMAGE