Agronegócio

Argentina estuda aumentar impostos sobre exportações de alimentos, diz governo

Reuters
Reuters

23 de abril de 2021 - 17:43 - Atualizado em 23 de abril de 2021 - 17:45

Por Hugh Bronstein e Maximilian Heath

BUENOS AIRES (Reuters) – O governo da Argentina está analisando a possibilidade de aumentar os impostos sobre as exportações de alimentos como medida para controlar a forte alta nos preços domésticos ao consumidor, disse a secretária de Comércio Interior do país nesta sexta-feira, em entrevista à rádio local El Destape.

A Argentina é a maior exportadora de farelo e óleo de soja do mundo, além de terceira maior de milho e importante fornecedora global de trigo.

O país, porém, sofre com uma dramática taxa de inflação, que, segundo dados do governo, atingiu 42,6% nos 12 meses até março, sustentada em parte pelas fortes altas nos preços dos alimentos.

O governo do peronista Alberto Fernández atribui a alta nas prateleiras argentinas aos elevados preços internacionais de grãos, que figuram nos mais altos patamares em anos.

“Está em análise” um aumento do imposto sobre as exportações de alimentos, disse Paula Español, secretária de Comércio Interior da Argentina, que descreveu a potencial medida como uma forma de “descolar os preços internacionais dos preços domésticos”.

A Argentina atualmente tributa as exportações de soja em 33%, as de óleo e farelo de soja em 31% e as de trigo e milho em 12%.