Agronegócio

Alta do açúcar pode ajudar Índia a exportar 6 mi t sem subsídio, diz indústria

Reuters
Reuters
Alta do açúcar pode ajudar Índia a exportar 6 mi t sem subsídio, diz indústria
Sacas de açúcar em armazém em Srinagar, Índia

18 de agosto de 2021 - 16:56 - Atualizado em 18 de agosto de 2021 - 17:00

Por Rajendra Jadhav e Mayank Bhardwaj

MUMBAI/NOVA DÉLHI (Reuters) – A Índia pode exportar 6 milhões de toneladas de açúcar na nova temporada que se inicia em outubro, mesmo sem subsídios do governo, com os preços globais em máximas de quatro anos e meio tornando as vendas ao exterior mais lucrativas, disseram autoridades do setor nesta quarta-feira.

Espera-se que Nova Délhi retire os subsídios à exportação de açúcar da nova temporada, já que um forte aumento nos preços torna mais fácil para as usinas indianas venderem no mercado mundial, disse à Reuters o funcionário mais graduado do Ministério do Consumidor, Alimentação e Distribuição Pública na terça-feira.

“Mesmo sem o subsídio, a Índia poderia exportar 6 milhões de toneladas de açúcar, desde que o mercado permanecesse estável acima de 20 centavos de dólar por libra-peso”, disse B.B. Thombare, presidente da associação de usinas do oeste da Índia.

Os preços de referência do açúcar bruto em Nova York atingiram uma máxima de quatro anos e meio, de 20,37 centavos de dólar na terça-feira, apoiados por compras de fundos em um cenário de oferta restrita.

As usinas de açúcar da Índia devem ter como objetivo exportar de 6 milhões a 7 milhões de toneladas do adoçante na temporada 2021/22, aproveitando os preços globais mais altos, de acordo com uma carta do governo dirigida a fabricantes de açúcar, vista pela Reuters.

As exportações do segundo maior produtor de açúcar do mundo podem limitar a alta dos preços globais e ajudar a aumentar a oferta na Ásia e na África, enquanto o Brasil, o maior exportador mundial, espera colher uma safra menor devido à seca e geadas.

A produção de açúcar centro-sul do Brasil em 2021/22 deve cair para 32,5 milhões de toneladas, ante uma previsão de junho de 34,1 milhões de toneladas, de acordo com a trading Czarnikow.

“Todo mês, os traders estão reduzindo as estimativas de produção para o Brasil. Parece que a oferta seria limitada no mercado mundial de novembro a março e alguém deve preencher. A Índia pode fazer isso porque tem estoques amplos”, disse um comerciante de Mumbai que trabalha para uma companhia global.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH7H12K-BASEIMAGE