Agronegócio

Açúcar sobe 6% para máxima de 4 anos enquanto safra do Brasil encolhe após geadas

Reuters
Reuters
Açúcar sobe 6% para máxima de 4 anos enquanto safra do Brasil encolhe após geadas
Produção de açúcar

10 de agosto de 2021 - 17:53 - Atualizado em 10 de agosto de 2021 - 17:55

Por Marcelo Teixeira

NOVA YORK/LONDRES (Reuters) – Os contratos futuros do açúcar bruto negociados na ICE fecharam em alta de 6% nesta terça-feira, para a máxima em mais de quatro anos, com a produção do adoçante na importante região centro-sul do Brasil afetada por geadas que também ameaçam restringir a matéria-prima da próxima temporada.

AÇÚCAR

* O açúcar bruto para outubro ​​fechou em alta de 1,12 centavo de dólar, ou 6,1%, em 19,59 centavos de dólar por libra-peso, após avançar para um pico de 19,75 centavos de dólar – a máxima desde março de 2017.

* A produção de açúcar na região centro-sul do Brasil caiu 11% na segunda quinzena de julho, para 3 milhões de toneladas, já que as geadas recentes prejudicaram as safras do maior produtor mundial, disse o grupo industrial Unica em relatório nesta terça-feira.

* “É tudo Unica”, disse um corretor dos Estados Unidos referindo-se à influência do relatório de safra no mercado.

* O açúcar branco para outubro avançou 18,00 dólares, ou 4,0%, a 468,20 dólares a tonelada.

CAFÉ

* O café robusta para novembro fechou em alta de 66 dólares, ou 3,7%, a 1.863 dólares a tonelada, a máxima este mês.

* Os operadores disseram que os preços do robusta continuam acompanhando o recente aumento do arábica, já que um provável aperto na oferta de arábica devido às geadas no Brasil levará os consumidores a aumentarem a compra de robusta para ‘blend’.

* O café arábica para setembro fechou em alta de 2,65 centavos de dólar, ou 1,5%, em 1,82 dólar por libra-peso.

* “Os preços do café provavelmente continuarão a ser voláteis, já que o impacto da geada sobre a floração e a resposta do produtor sobre os cafezais danificados ainda está para ser visto”, disse o Rabobank em uma nota.

(Por Marcelo Teixeira e Nigel Hunt)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH79104-BASEIMAGE